Largando o Pet Deck
08/11/2017 10:00 / 5,109 visualizações / 12 comentários

 

Bruno Ramalho, 14 anos, sétima série, caminhava até o apartamento de seu vizinho num sábado qualquer, mal sabia ele o que o aguardava. Cinema era o plano da noite, Bruno, Thiago e seus amigos iriam assistir Ultimato Bourne, como o filme só começaria dali umas boas horas, Thiago decide apresentar um jogo novo para o pequeno Bruno, esse jogo era conhecido por Magic: The Gathering , e naquele momento a vida desse pequeno gafanhoto mudaria para sempre.
 
Fast Forward para 2017, 10 anos depois, muitas idas e vindas com o jogo, o Bruninho virou Bruno_Orelha e os sonho de classificar para o Nacional se transformou em classificar para um Pro Tour, o deckzinho de Rato virou um Esper Control e a vontade de jogar só cresce a cada dia. Os torneios estão cada vez mais competitivos, informações sobre o jogo podem ser acessadas por qualquer um e hoje, mais do que nunca, é possível viver de jogar Magic.
Cada jogador tem seus próprios sonhos e objetivos, mas todos que desejam alcançar um alto nível de performance devem aprender uma coisa: Se adaptar.
 
Muitos torneios são definidos não só pelos bons jogadores que os jogam, mas também pela escolha do deck. Quem nunca jogou um torneio com um deck X, foi mal, e quando jogou outro torneio com o field similar, mas desta vez com outro deck, não foi bem melhor?
 
Pois bem, hoje vamos falar sobre a primeira escolha mais importante que você pode fazer ao jogar um torneio: O deck!!
 
Faça o que eu digo, não faça o que eu faço
 
Sou conhecido como o cara dos Pet Decks, tendo jogado de Lands e Death and Taxes no Legacy por 7 anos e não abandonei meu querido Valakut no Modern (RUG Scapeshift e depois migrando para o GR Titanshift). Gosto de manter meus pet decks não só por serem divertidos de jogar, mas por serem os decks que mais consigo explorar o potencial, por estar há tanto tempo com o deck eu sei todos os ins e outs, todas as jogadas específicas contra os arquétipos do field e consigo fazer mudanças no main/side com convicção de que são as melhores opções para aquele momento. Ter um pet Deck não é problema nenhum, não saber quando mudar de deck é o verdadeiro problema.
 
A Oportunidade bateu à sua porta
 
Durante algum tempo eu tive aversão à tier decks. Pensava comigo mesmo: “Ah, não preciso disso para ganhar, conheço meus arquétipos de ponta a ponta”. Mas eu não contava com a mudança do formato, tornando meus Pet decks escolhas ruins/não tão boas.

No começo do ano de 2014, alguns meses depois de True-Name Nemesis ser lançado, ocorreu um side event com premiação bem alta no domingo do GP SP, no entanto, eu sentia que minha versão de Death and Taxes estava ruim para um field lotado de mini-Progenitus, decidi então arriscar jogar de Miracles, o meu medo era que eu jamais havia jogado um torneio grande com um deck que não tivesse Porto de Rishada. Long Story Short: Joguei de Miracles mesmo estando inseguro, consegui um ótimo resultado, ficando em 9º por desempate num torneio de 146 jogadores. Este resultado me animou tanto que resolvi testar diversos decks que eu tinha medo de usar por estar fora da minha zona de conforto: RUG Delver, Nic Fit e até High Tide.
 
A decklist que usei, apenas para referência e notar o quão diferente era da minha zona de conforot, D&T.
 
UWr Miracles - Legacy
2017-11-08

Jogador

Ruda

Visitas

5130

Código Fórum

[deck=726346]
 
A Hora da Mudança.
 
Não estou dizendo que você deve largar de vez seu pet deck e pular de cabeça direto para um tier 1. Vamos ser realistas, nem todo mundo tem condições financeiras de ficar mudando de deck (seja lá qual formato essa pessoa jogue), se possível, pegue emprestado com algum amigo apenas para testar e tentar se identificar melhor com o deck, mas não mude de deck apenas por mudar, tenha um plano em mente:
 
O novo deck ataca o field de maneira diferente?
Tem mais good matchups/menos bad matchups?
Mudar de deck vai te deixar mais seguro?
 
Se a resposta for sim para qualquer uma dessas questões, arrisque mudar, no mínimo vai te deixar mais seguro de jogar com seu baralho habitual.
 
“Ah, mas eu não gosto…”
 
Guillaume Wafo-Tapa é um pro player conhecido por ser o mestre dos controles, ele só joga de control, o que significa que sempre que houver um control bom no field do Standard ele provavelmente irá se destacar, o problema é que quando control não for bom, ele continuará jogando e terá poucas chances de ir bem. Este era o mesmo problema do Patrick Chapin, jogava apenas de hard control independente do field. Chapin teve diversos resultados bons, mas nunca havia ganhado um Pro Tour, foi só em 2014 que ele decidiu se adaptar e jogar com o que era bom, foi aí que ele ganhou o PT Jorney into Nyx e ficou em segundo no Mundial do mesmo ano.
 
Lista usada por Chapin no PT:
 
Abzan, por Patrick Chapin - Block
2017-11-08

Jogador

Ruda

Visitas

5126

Código Fórum

[deck=726347]

Nem sempre você vai jogar com o deck que gosta, nem sempre vai conseguir fazer aquele combo mirabolante de comprar 33 cartas com um New Perspectives na mesa enquanto seu oponente está explodindo de raiva de ter perdido para um deck tão tosco. Mas saiba que largar o pet deck vai te fazer crescer como jogador, que vai te dar aquela sensação boa no final do campeonato, aquela sensação de que deu o seu melhor, de que foi prudente na escolha do baralho e que fez o seu melhor, tendo ficado em primeiro ou não. Ninguém vira profissional do dia pra noite, são pontos onde você vai melhorando, alguns mais rápido que os outros, mas a constante mudança te torna um jogador melhor, mais completo e a um passo a menos dos seus objetivos no jogo.
 
Para o topo
 
Na ascensão do RUG Delver(que era conhecido como Canadian Treshold) eu odiava o deck, era o deck to beat, Delver of Secrets (a carta do magic que eu menos gosto) e Stifle​ (a estratégia de mana denial que eu menos gosto), mas precisei emprestar umas cartas para um amigo jogar com um deck e acabei ficando sem opção para jogar fora o Canadian, no começo eu odiava o deck, cada jogada me dava raiva, todo turno que meu Delver não flipava eu tinha vontade de virar a mesa, alguns campeonatos depois eu decidi ignorar o fator “gostar do deck” e comecei a apreciar a maneira que o deck funcionava, sempre tentando dar o meu melhor, obtive alguns bons resultados com o baralho e percebi que invés de não jogar com o tier 1 que eu não gostava eu havia pelo menos tentado e percebido que acabei tendo algum divertimento nisso. Caso eu tivesse pensado “Delver? não!” Nada disso teria ocorrido, tive novas experiências no jogo, entendi como funcionava um deck totalmente diferente e de quebra ainda me diverti bem mais do que imaginava que iria. A partir de então eu nunca mais deixei de mudar de deck quando necessário.
 
Canadian Threshold - Legacy
2017-11-08

Jogador

Ruda

Visitas

5128

Código Fórum

[deck=726385]
Sideboard (15 cartas)

    0

    • Menor Preço

      R$ 1.050,00

    • Preço Médio

      R$ 5.768,17

    • Maior Preço

      R$ 14.329,26

     
    Para quem jogava só de Death & Taxes e Ramp, coloquei listas de Control e Aggro-tempo, baralhos bem diferentes dos que eu estava acostumado, e posso dizer que isso me fez um jogador melhor, que vê novas linhas de jogo.
     
    É uma decisão difícil, mas garanto que vai mudar sua visão do jogo. Crescer é importante, crescer no jogo mais ainda!
     
     
    TAGS: 

    Bruno Ramalho ( Bruno_Orelha)
    Aficionado por Legacy, sempre que pode joga com decks que matam com terrenos e não dispensa uma ativação de Vial no passe.
    Redes Sociais: Facebook

    ARTIGOS RELACIONADOS

    Porque eu amo a Tempestade!

    Entenda porque Brainstorm é a base do Legacy.


    Conheça seu Inimigo

    Interações do Legacy.


    As “Não-Partidas” de Magic

    Uma reflexão sobre Concessões, IDs e Splits.


    Os 16 Macro arquétipos do Magic - pt2

    Linear Aggro!


    Autoanálise e o Teto de Vidro no Magic

    Quais seus pontos fracos?

    MTG Cards



    Comentários

    Ops! Você precisa estar logado para postar comentários.

    Bruno_Orelha (13/11/2017 14:46:20)

    Valeu Diogão!
    Então, eu não gosto de Delver por ser apenas um beater, gosto de criaturas com habilidades e possibilidades para novas jogadas, o Delver no máximo me filtra o topo com uma fetch na mesa. E não gosto de Stifle por, apesar de ser uma carta devastadora, me força a jogar de uma maneira que eu não gostaria em muitos jogos.

    DiOgO_777 (12/11/2017 18:09:13)

    Parabéns pelo EXCELENTE artigo Bruno. Algo que queria que dividisse com quem lê aqui, quais motivos levam a não gostar de delver e stifle?

    Bruno_Orelha (09/11/2017 14:38:57)

    Nem sempre a escolha correta é fácil hahahaha

    radjahh (09/11/2017 00:55:27)

    agora é ruim quando voc tem um deck de estimaçao que te deixa sempre em top 4 pra largar tem que ter muita coragem!

    radjahh (09/11/2017 00:54:20)

    eu tinha medo de usar por estar fora da minha zona de conforto.... até High Tide!!!
    esse deck é o melhor deck legacy ele gera desconforto no oponente sempre! quem controla nao!

    na época que foi criado esse deck quase tudo dele foi banido e mesmo assim ainda hj é o deck top!

    otimo artigo! vou até diversificar mais tambem!

    airon_mb (09/11/2017 00:42:13)

    Ótimo texto! Os melhores artigos da Liga atualmente são do Bruno, excelente colunista. Parabéns, continue o bom trabalho.

    Bruno_Orelha (08/11/2017 15:24:22)

    Valeu mano! É bem real isso, ano passado eu estava batendo na trave de RUG Shift, mudei pro humanos e fiz 3 top 8s seguidos.

    Bruno_Orelha (08/11/2017 14:50:21)

    Valeu mano! É bem real isso, ano passado eu estava batendo na trave de RUG Shift, mudei pro humanos e fiz 3 top 8s seguidos.

    HHHH (08/11/2017 14:09:28)

    Excelente artigo. Parabéns.

    VIP STAFF sandoiche_13 (08/11/2017 13:46:12)

    Como cheguei a falar em um artigo mais cedo esse ano: seis anos jogando de Ad Nauseam, uma temporada "fraca" com só alguns Top 8 em PPTQs e um fracasso no GP, daí pego um RG Valakut sem nunca ter jogado com o deck (apesar de saber como ele funciona, sidear etc.) e cheguei o mais perto da vaga no RPTQ na Temporada Modern perdendo na final do PPTQ. Esse estado de pegar outros decks para ir aprendendo e vendo como posso me adaptar ao Modern é o que pretendo ter como objetivo nesse final de ano. Boa leitura!

    MeuSadruga (08/11/2017 12:16:34)

    Cara, te acompanho desde 2014 e sei das dificuldades e facilidades que vc tem com o Magic. Algumas dificuldades são as mesmas, principalmente em relação a ter um pet deck que entra e sai do meta rapidinho.

    Comecei algumas mudanças, principalmente em relação à formato, onde comecei a jogar um pouco de Standard e, um pouco menos do que gostaria de Legacy. Resultado: Top4 nos ultimos 5/6 campeonatos que eu joguei na loja local.

    Gostaria de poder explorar um pouco mais o magic mas, infelizmente, isto não me é mais possível.

    Ah.. detalhe.. joguei standard de UW Approach, nada a ver com os decks que jogo no Legacy (Taxes/Burn) e Modern (Eldrazi Bear/qq deck que me emprestarem quando nao quero jogar de taxes)

    Em tempo, mais um EXCELENTE artigo, princilpamente para os teimosos de plantão !!

    VIP STAFF MandarK (08/11/2017 11:20:05)

    Baita texto, cara! Gostei muito, parabéns

    Participe de um dos maiores eventos de Magic: The Gathering da América Latina