Draft Time - Por que jogo Draft?
23/12/2017 10:00 - 5,874 visualizações - 6 comentários

 

Saudações WebWalkers!
 
Hoje estréio uma coluna sobre o formato Draft, a qual trará em diferentes artigos: teorias sobre draft ou dicas do formato para Draft Weekend (eventos pós lançamento de cada nova coleção).
 
Então, sendo hoje a estreia, lanço a pergunta: Por que eu jogo Draft?
 
Vamos refletir em alguns pontos do porquê este formato selado nos atraí e o que faz dele tão especial. Ou, caso você ainda não tenha tido essa experiência, pergunte-se: Por que eu deveria jogar Draft?
 
E se desconhece este formato limitado, um resumo rápido é:
 
    Geralmente em uma mesa com 08 pessoas, você adquire 03 boosters para participar do Draft e depois montar um deck. Abre-se o primeiro booster, escolhe-se um card, e passa o restante desse booster à esquerda, ao mesmo tempo em que você receberá outro. Quando os primeiros pacotes acabarem, abre-se o segundo e repete o processo à direita, e por fim o terceiro booster à esquerda.
 
 
A própria palavra Draft em português traz o sentido de “projeto”, ou seja, a cada escolha de card durante a rotatividade dos boosters, você estará projetando e rascunhando mentalmente o deck que deseja formar. Sendo assim vamos ao nosso primeiro motivo:
 
FLAVOR
 
Literalmente é o sabor que você sentirá ao “draftar” uma coleção. Cada edição de MTG traz uma proposta, e nelas você pode escolher como customizar seus gostos com base nas combinações disponíveis, criando um deck que mistura sua personalidade com o ambiente da coleção.

Por exemplo, eu particularmente sou fanático pelo Vermelho, então eu quase sempre faço Drafts a partir de combinações com ele. A possibilidade de escolher um card por booster me permite focar no meu gosto como jogador, sendo possível às vezes até fazer um monocolor.  Esse processo permite que eu literalmente me sinta “dentro” da coleção, utilizando as ferramentas que eu, como mago vermelho, utilizaria naquele mundo.
 
Além disso, o Draft é o formato que mais nos aproxima da visão dos responsáveis pelo desenvolvimento da coleção (R&D: Research & Development), no sentido de entender como e quais cards podem criar tais efeitos e sinergias entre si, juntamente com a experiência de se vivenciar aquele mundo através da estética e coerência de cada card exclusivo dele.
 
ENTRADA
 
Como dito no tópico acima, é uma oportunidade para adentrar no universo exclusivo daquela coleção, mas também em outras portas:

 - Para o jogo em geral
 
Após um/a iniciante, por ex, explorar decks pré-montados, é uma ótima oportunidade para se desafiar e explorar sua própria capacidade e entendimento de montar um deck do zero. Quanto mais praticar, mais entenderá os princípios de equilíbrio entre criaturas e outras mágicas, curva de mana, quantidade de terrenos, entre outros. Além de captar mais cartas e combinações à própria coleção.

 - Para o jogo competitivo
 
A maior parte dos modelos de Draft trabalha com os produtos vigentes do Standard (o formato competitivo criado ao redor das coleções regulares recentemente lançadas). Portanto, se você deseja experimentar um campeonato de Standard, mas não sabe qual arquétipo de deck montar, e/ou não possui ainda cartas suficientes, realizar Draft das diferentes coleções vigentes possibilita entender as mecânicas de cada coleção, se familiarizar com os arquétipos e acumular cards para montagem dos decks. Sem mencionar que o próprio Draft pode vir a ter um caráter competitivo (com premiações etc) então você já se ambientaria nesse aspecto do jogo.

 - Para o ambiente de lojas
 
O que há em comum com tudo que eu mencionei até aqui? O espaço físico das lojas. Toda teoria até agora foi passada pensando-se em jogos nas lojas, claro que há a possibilidade de reunir um grupo de amigos/as e jogar em casa, num draft super casual (eu faço isso direto ). Porém, gostaria de frisar que as lojas não estão lá simplesmente para vender produtos, elas trabalham com a experiência do usuário. Jogar MTG em uma loja é completamente diferente de jogar em casa, na mesa da cozinha etc.
 

Para o Draft organizado por um lojista, você faz um DCI, que é seu documento oficial no mundo de MTG. Entra em contato com sistemas de pareamento, vitória/derrota, melhor de três, sideboard, juízes, etc. conhece as pessoas as quais frequentam a loja, e ajuda a fortalecer uma comunidade local.
 
COMUNIDADE
 
Isso é algo que eu sempre friso nos meus artigos e trabalho em geral. O Magic é um jogo analógico (por mais que esteja vindo o Arena, entre outras versões online), é um jogo que precisamos do outro indivíduo ali, presente, para jogarmos. O diferencial do MTG é que as cartas abrem uma interação para além delas, há um universo inteiro de símbolos e comportamento ao redor do produto em si. As cartas e o jogo são catalisadores que nos permitem encontrar nossos afins e nos reunirmos em grupo, formar laços, compartilhar risadas, raivas, trocar cartas, etc. etc. etc.

Em um Draft então, para o número ideal, você precisaria de pelo menos mais 07 participantes. Só nisso você teria que reunir mais 07 conhecidos, ou então se dispor a participar de uma mesa com pessoas novas para seu convívio. E quanto melhor o ambiente de draft fornecido para você, mais você se divertirá com as pessoas, conhecidas ou não (vide por ex,  Drafts de Conspiracy e UnSets, incríveis!)
 
DRAFT COMO UM SUBGAME PRÓPRIO
 
Por fim, gostaria que você pensasse no processo de Draft como um subgame próprio a partir do MTG. Escolher os “picks” certos, tentar prever o que os outros estão fazendo, cortar uma carta em potencial que iria para alguém... inúmeras estratégias além do objetivo do deck.
Não por acaso a WOTC já lançou 02 edições de Conspiracy, um set inteiramente dedicado a afetar, potencializar e explorar as dinâmicas do Draft.
 
REGRAS, DICAS e ESTRATÉGIAS
 
Ficou curioso/a para jogar esse formato? Pois seja você um iniciante ou um veterano, formatos selados trazem um nivelamento nos cards disponíveis e decks pilotados, exigindo muito mais das suas habilidades desde as escolhas até a montagem do deck.
 
E para ajudar você em quais cards escolher durante o Draft, como montar decks, qual valor de jogabilidade que um card possuí, como tirar proveito da dinâmica do draft, draft casual  e cube, etc., farei uma série de outros artigos com regras, dicas, estratégias, entre outros tópicos em geral.
Acompanhe esta nova coluna, e quem sabe vejo vocês numa próxima mesa!
 
Até!
 
Felipe Bracco
(Atarka)
 

Felipe Bracco (VIP STAFF Bracco)
Viciado e apaixonado pela mana vermelho, adorador de Goblins, viajante das teorias, curioso e observador! Buscando sempre expandir os limites da minha própria escrita e do que pode ser escrito.
Jogo Magic desde 2000, e hoje estou mergulhado inteiro na comunidade. Sou inclusive administrador do MTG LGBT, grupo de Magic no Facebook visando acolhimento e promoção de eventos relacionados.
Se quiser saber mais sobre, entre em contato!!!
Redes Sociais: Facebook
LigaMagic App



Comentários

Ops! Você precisa estar logado para postar comentários.

VIP STAFF Bracco (24/12/2017 11:26)

Isso eh uma DAS MELHORES FUCKIN coisas do Magic!

Sgt_Andrew_Scott (24/12/2017 09:27)

Verdade cara, por algum motivo que nem eu sei kkkkkkkk
Só montei decks naqueles sites sobre drafts, selados.

Denfaceupp (23/12/2017 21:25)

Draft é uma experiência única! Vale muito, mas muito a pena jogar! Sempre incentivo a galera que compra box a não abrir os boosters por abrir, mas sim reunir os amigos e draftar!!!

BrunoF23 (23/12/2017 19:27)

Muito bom artigo. Ansioso pelo próximo. É assim como o amigo aqui em baixo, ainda vou atrás do meu primeiro draft

VIP STAFF Bracco (23/12/2017 12:38)

COMO ASSIMM!?!?!?!?

bora jogar um!!

Sgt_Andrew_Scott (23/12/2017 12:25)

Tchê! Entre idas e vindas eu "jogo" Magic a 20 anos NUNCA joguei UMA partida de Draft. Vida de M :( hehehehe