Então tá, vamos falar de Reserved List
07/05/2018 10:00 / 8,112 visualizações / 116 comentários
 
Crianças, precisamos conversar…
 
 
Não é segredo nenhum que meu formato preferido é o Legacy. A imensa pool de cartas disponíveis esperando a combinação correta para serem utilizadas ao seu potencial máximo, as microdecisões em todos os turnos do jogo, o altíssimo power level das cartas, entre muitas outras coisas, tornam esse formato maravilhoso. Mas, infelizmente, o Legacy sofre de um problema bem sério, algo que muitos consideram incorrigível: os valores astronômicos de cartas importantes, como Old Duals e Gaea's Cradle. E isso tudo se deve à famosa Reserved List. É graças à Lista Reservada que algumas cartas não podem ser reprintadas. Mas, o que é essa bendita lista de que todos falam tanto?
 
Definição: a Reserved List é uma lista de cartas que nunca serão reprintadas para que possam manter seu valor de mercado. A política de Reprint foi criada originalmente pela Wizards of the Coast no dia 4 de Março de 1996 e sofreu revisões em 2002 e 2010.
 
A última revisão da lista conclui que:
 
 - As cartas listadas nunca serão reprintadas em forma idêntica e funcional.
 - Uma carta é considerada identicamente funcional à outra se ambas tiverem o mesmo Tipo, Subtipo, Habilidades, Custo de mana, Poder e Resistência.
 - Uma carta estar fora da Reserved list não quer dizer que há planos reais de ser reprintada.
 - A política de reprint aplica-se tanto para cartas em Inglês como também em outros idiomas.
 - A política aplica-se apenas para cartas em formato legal para torneio. A restrição não se aplica para cartas Oversized e cartas Não-Resgatáveis através do Magic Online.
 
Antes de 2011, uma cláusula permitia reprints em versões premium, como From the Vault. A partir de 2011, não era mais permitido o reprint desse tipo de carta segundo a Reserved List.
 
Como ela foi criada?
 
A Reserved list foi criada em Março de 1996 devido aos protestos dos grandes colecionadores que reclamaram de suas cartas terem perdido muito valor devido aos amplos reprints em Chronicles e Quarta edição.
 
Sempre foi a política da Wizards of the Coast imprimir qualquer carta nova com a borda preta antes ou ao mesmo tempo em que ela tenha sido impressa com uma borda branca. Também era política nunca fazer o reprint com uma borda preta qualquer carta previamente lançada que tivesse arte e texto idêntico ao de outras cartas. O objetivo dessas políticas era tornar as versões de edição limitadas em borda preta de cartas de Magic o mais colecionáveis ​​possível. No entanto, foi reconhecido que muito da colecionabilidade de uma carta de Magic também era determinada pela sua disponibilidade para fins de jogo. Assim, a Wizards decidiu expandir suas políticas anteriores criando uma nova categoria de cartas, denominada "Reserved Cards", as quais eles nunca reprintariam novamente, seja na borda preta ou branca, de maneira funcional idêntica no jogo.
 
Em 2002 ocorreu a primeira grande mudança na Lista. Se livraram completamente de comuns e incomuns (um pouco mais de 20 cartas) e é importante ressaltar que ela incluía REMOVER cartas da lista. Além disso, a outra mudança ocorrida foi a de parar de adicionar novas edições à lista, parando em Máscaras de Mercadia, ou seja, aparentemente nenhuma cláusula da Reserved era intocável.
 
 
A Mudança em 2010 foi referente à cláusula que falava sobre o print run de cartas pertencentes à lista em material Premium. As cartas poderiam ser reprintadas normalmente como cartas Oversized, Tournament Decks, Promos de Juiz e cartas From the Vault. É por isso que temos algumas cartas em versão promo, como Gaea's Cradle e Survival of the Fittest, mesmo ambas estando na lista. No entanto, após o FTV Relic ter feito Mox Diamond voltar, um grande alvoroço surgiu na comunidade de colecionadores e a política sobre cartas Premium foi revista e hoje apenas cartas Oversized, Tournament Decks e cartas Não-Resgatáveis no Magic Online são permitidas.
 
Considerando que começamos com uma lista de cartas que a Wizards PROMETEU nunca mais reimprimir, e, após sua primeira concepção, alguns anos se passaram e a opinião sobre algumas políticas e o conhecimento de mercado melhorou, revisaram a lista e permitiram o reprint de cartas que, teoricamente, não deveriam ter voltado.
 
Atualmente, a Hasbro é a detentora dos direitos da WotC, o que me faz acreditar que ela esteja por trás de todas as últimas decisões sobre a reserved list. Nem a Hasbro nem a WotC falam abertamente sobre ela, portanto, muitas informações disponíveis por aí são apenas boatos ou coisas não-confirmadas oficialmente.
 
Por que deveríamos acabar com a Reserved?
 
Magic é um jogo extremamente divertido. Uma criança de 12 anos e um adulto de 37 conseguem se divertir da mesma maneira jogando o mesmo jogo, e isso pra mim já é maravilhoso. Isso sem falar no aspecto competitivo da coisa: enquanto uma pessoa resolve que vai jogar apenas na mesa da cozinha com seus amigos usando cartas abertas em boosters; outros decidem se dedicar e viver exclusivamente do jogo. Mas não importa qual tipo de jogador você é, o Magic é um Trading Card Game e isso implica que o jogo sempre irá sofrer mudanças de valor de mercado. Enquanto isso pode ser pouco relevante para o jogador da mesa de cozinha, o jogador semi-competitivo acaba sendo prejudicado por ter que gastar um salário mínimo em um deck do Tipo 2.
 
As coisas escalam rapidamente quanto mais velho for o formato que você for jogar. Grande parte dos decks tier do Modern já custam mais de 2 mil reais, e se formos comparar com o Legacy, 2 mil reais é praticamente o preço de apenas UMA Underground Sea. E é a Reserved List que faz com que os preços se mantenham tão altos, isso sem falar em toda a especulação mentirosa que ocorre nos preços de algumas cartas (um dia farei um artigo só sobre isso).
 
 
O Fim da Lista resultaria em reprints diretos ou funcionais de cartas caríssimas, como Power 9s e Dual Lands. Pelo fato da política da RL não se aplicar à cartas não-resgatáveis do Magic Online, nós podemos ver o efeito de um reprint de uma carta muito cara. Enquanto uma Dual Land varia entre 70~500 dólares na vida real, algumas batem 20 TIX no MOL devido ao seu alto número de cópias disponíveis no mercado.
 
Com essa lista abolida, seria viável jogar os formatos Eternal, seria possível haver torneios competitivos nos formatos Legacy e talvez até Vintage, diferente de hoje em dia, em que temos apenas 2 Gps Legacy por ano e 2 Eternal Weekend para nos “deliciarmos” desses formatos tão queridos. Até 2012, Legacy era um formato oficial do mundial de times, com um jogador no Standard, um no Modern e um no Legacy. Não consigo esquecer quantas vezes eu vibrei em ver jogadores profissionais jogando Legacy no circuito pró, os novos approaches que só um jogador “de fora do formato” conseguiria ter, em suma, era maravilhoso assistir a meu formato preferido ser jogado no mundial. A comunidade só teria a ganhar com mais jogadores entrando para os formatos eternal.
 
Por que a Reserved é tão importante?
 
Quem assistia Bob Esponja deve se lembrar de um episódio chamado “One Krabs Trash”, em que o Seu Sirigueijo encontra um chapéu que pertencia ao “número 1”.O leilão do chapéu começa em 50 mil dólares e ultrapassa 1 milhão bem rapidamente, Sirigueijo resolve interromper o Leilão para continuar no dia seguinte e tentar arrancar mais dinheiro dos colecionadores. No dia seguinte, ninguém aparece no Leilão e o Sirigueijo descobre que encontraram um lixão com milhares de cópias do mesmo Chapéu que ele estava vendendo. Resultado: o chapéu dele não valia mais que um dólar.

Do ponto de vista dos jogadores/colecionadores, é exatamente isso que iria acontecer. Power 9s e Dual Lands acessíveis para quase todos, mas com o grande problema de DESTRUIR todo o investimento que as pessoas sofreram tanto para fazer no passado. Tarmogoyf é uma carta chave no Modern e já foi uma das mais importantes no Legacy, nunca sendo da Reserved e mesmo assim batendo os 600 reais. Segundo os jogadores, a Wizards poderia reprintar Tarmogoyf como incomum para que todos tivessem acesso à carta ou simplesmente voltá-lo tantas vezes que teria o mesmo preço de muitas raras do Standard. Mas e quem ralou muito para pagar R$ 2.400,00 no seu set de Goyfs? E quem tinha 12 na esperança de subir ainda mais para compensar a revenda?
 
 
Muitos podem ser contra essa prática, mas ela não só é legalizada como é bem comum. Claro, é injusto nem todo mundo ter a possibilidade de jogar um formato que gosta, mas o que não podemos esquecer é que o Magic é um TCG (Trading Card Game) e não um LCG (Living Card Game), ou seja, o fator colecionismo mexe diretamente com o jogo, com o valor das cartas, com a quantidade no mercado e, principalmente, com reimpressões.
Apesar de Buyouts de itens contidos na Reserved ser algo bem comum e que atrapalha a vida de muita gente, isso é apenas uma consequência do nosso sistema econômico predominante.
 
Agora, vejamos no ponto de vista da Hasbro, que detém os direitos da Wizards of the Coast.
 
Há 20 anos atrás, a empresa fez uma promessa de não voltar com X e Y e fazer Z. Continuar com a promessa seria “gratuito” e teria apenas algumas reclamações de algumas pessoas que poderiam nem investir diretamente na sua empresa, visto que muitas dessas pessoas jogam apenas formatos eternos e não se importam com novos lançamentos. Por outro lado, se você abolisse a promessa, algumas coisas bem ruins iriam acontecer:
A sua empresa tem 25 anos de bom relacionamento com os clientes, e a RL foi criada justamente para manter esse bom relacionamento. Empresas mau-relacionadas com clientes fazem com que o valor de suas ações despenque, e perder dinheiro não é uma decisão que uma empresa desse tamanho opte se tiver que escolher entre “deixar feliz quem não investe em mim” e “perder dinheiro”, além de toda a multa por quebra de contrato (encontrei algumas fontes com valores divergentes, não vou colocar valores aqui, pois podem estar errados, mas saibam que é um bom dinheiro pra cada carta da lista que for reprintada indevidamente).
 
Não é de hoje que muitos tentam achar a solução milagrosa para o fim da Reserved. Ainda não encontraram e, se um dia encontrarem, acredito que seja algo bem fora do usual, nada de fazer Dual Lands melhoradas ou criar um formato em que nada da RL seja válido. Isso só o tempo dirá, mas, por enquanto, teremos que conviver e aprender a respeitá-la.
 
 
 

Bruno Ramalho ( Bruno_Orelha)
Aficionado por Legacy, sempre que pode joga com decks que matam com terrenos e não dispensa uma ativação de Vial no passe.
Redes Sociais: Facebook
LigaMagic App

ARTIGOS RELACIONADOS

O Futuro é Sombrio

Depths no meta atual.


A Ira de Marit Lage

Eternal Weekend e GP Legacy.


Classificados Legacy para o CLM

Listas das etapas do Circuito LigaMagic.


Atenderam minhas preces!

Os reprints de Masters 25!


A Evolução do deck: Painted Stone

A história do combo!





Comentários

Ops! Você precisa estar logado para postar comentários.

tattoowalker (12/05/2018 15:56:04)

Sim. A melhor saída seria essa. Projetar um novo formato com a reserved de fora. Eles agregaria valor a novos produtos que poderiam ser lançados de muitas formas, revitalizariam o legacy q é o formato de maior grandeza no mtg e daria um basta nesse hype infinito da reserved

VIP OURO Cassius (11/05/2018 23:48:05)

Sim, projetar uma nova estrutura é muito menos arriscado e funcionaria muito bem tb, desde que após a criação dessa estrutura, fosse banido as cartas que estão na reserved list para que não fossem utilizadas na nova estrutura mantendo o mesmo problema. A questão é que a Wizards está mantendo o problema sem tentar nada novo pq os jogadores do formato não fazem tanto barulho quanto os colecionadores, então eles vão empurrando com a barriga justamente pq sabem que os jogadores do formato, embora tenham diminuído em número, permanecem jogando e gastando com as cartas do formato que são reprintadas. Em outras palavras eles usam os jogadores de Legacy para aumentar o valor de suas cartas compartilhadas com outros formatos. A questão é quanto tempo a comunidade de Legacy vai deixar isso acontecer sem se organizar para pedir mudanças que protejam seu formato.

VIP OURO Cassius (11/05/2018 23:37:21)

Depende do objetivo que se teve com o modern, pq se o objetivo foi acabar com Legacy conseguindo que seus jogadores migrassem de formato, então foi uma empreitada extremamente sem sucesso, mas se o objetivo foi a criação de um novo formato que tem um Power Level com maior controle e conseguir muito jogadores com isso, então foi um sucesso absoluto.
A questão é justamente o preço dos boosters. A porcentagem de jogadores legacy, embora seja menor do que modern ou standard, é muito grande, então quantos boosters a Wizards deixa de vender por não produzir cartas importantes a manter o Power Level do Legacy e o pior é que eles tem condições de criar cartas que nem mesmo quebrariam a Reserved List, mas que cumpririam esse objetivo. Como disse, a Wizards só não muda essa política por falta de organização e cobrança da comunidade Legacy.

tattoowalker (10/05/2018 14:40:24)

Mesmo sendo apenas uma possibilidade a quebra da reserved reverberar em quedas de ações e processos, acho que não vale a pena o risco. Mais fácil eles projetarem uma nova estrutura pra continuarmos usando nossas fows e brainstorms e deixar a reserved prós colecionistas que não são garotos, são pessoas com poder aquisitivo e culhão pra correr atrás do prejuízo

tattoowalker (10/05/2018 14:35:55)

Acho mais viável uma dual que ao entrar faz o msm efeito que a shock só que um pain.. acho que daria pra segurar um burn legacy

irwind (10/05/2018 14:07:59)


Ótimas observações, não precisamos mais debater, falou com propriedade e raciocínio lógico.




Aquele primeiro exemplo não convenceu pq existe aether hub, mas confesso que esse segundo comentário tem boas ideias!

morgoth_lotr (10/05/2018 14:02:09)

Dizer que Modern não deu certo é uma visão bem pessoal sua e bastante fora da realidade tb.

Já disse e repito, a WotC não ganha nada com o fim da RL. O maior acesso ao Legacy não aumenta significativamente a comunidade de mtg no geral devido a migração de outros formatos, e a desvalorização das cartas cascateia um monte de efeitos indiretos negativos. Mesmo as cartas que não estão na RL, pq a política de reprint é tão fraca? Pq desvaloriza o produto deles, e essa perda impactaria diretamente na margem de lucro. Ninguém compraria boosters pra pegar cartas que valem menos que o preço do pacotinho.

De novo, sem considerar as ameaças de processo, multa, etc... mesmo se for tudo mentira, economicamente não é interessante pra Wizards.

Bruno_Orelha (10/05/2018 13:39:11)

Você deveria se atentar mais aos detalhes, no artigo eu falei que reprint funcional não era válido.
"- Uma carta é considerada identicamente funcional à outra se ambas tiverem o mesmo Tipo, Subtipo, Habilidades, Custo de mana, Poder e Resistência."

VIP OURO Cassius (10/05/2018 12:52:12)

No meu entendimento o Modern foi uma tentativa de agradar gregos e troianos que não deu certo. Os jogadores de Legacy não migraram em massa para o Modern e continuam questionando a política da Reserved List. Acredito que uma saída simples mais que resolveria seria printar uma coleção que pudesse substituir as cartas da reserved list sem quebrar a regra do reprint funcional ao mesmo tempo que banissem as cartas da Reserved list do Legacy. Poderiam, por exemplo, criar old duals que gerassem um ponto de vida quando entrassem em jogo ou até que causassem um ponto de dano se fossem a primeira carta a entrar em jogo. Com isso manteria-se o Power Level do formato praticamente inalterado sem ofender pesadamente os colecionadores. A questão maior é que a comunidade de jogadores Legacy não se organiza ao tempo que a comunidade de jogadores é extremamente bem organizada. Eu, particularmente, acredito que uma boa iniciativa seria que iniciássemos uma petição online exigindo mudanças na política de Reserved List. Embora uma iniciativa dessas, começada no Brasil, assim como em qualquer outro país que não o EUA, sozinha, não surtiria grandes efeitos, nas ela teria de começar em algum lugar, pq não aqui? Poderíamos criar um abaixo assinado, em português, inglês e espanhol, exigindo mudanças nessa política de reprints. Se alcançássemos os EUA, devido ao quantitativo maior em relação ao de colecionadores, teríamos resultados positivos rapidamente.

Leo785 (10/05/2018 12:37:52)

Faça cartas semelhantes cmo as da RL com nomes diferentes acabou o assunto.

VIP OURO ThiefSlayer (10/05/2018 12:20:35)

Poise, uma soluçao bem ruim pra quem curte legacy ou vintage. Pra mim a soluçao é mol, ate prefiro jogar la do que irl e decks vintage e legacy sao bem em conta (comparando com os preços irl, mais baratos que decks modern irl por exemplo).

gmila84 (10/05/2018 10:18:19)

Vamos ao lado da Hasbro: a Reserved List é um contrato de boca ou assinado? O intuito do Magic é comprar cartas ara lucrar ou jogar? Há muitas alegações que podem quebrar essa lista reservada sem muitos danos.

Serei sincero, não vejo o porquê de acabar com essa lista, uma vez que boa parte das cartas são ruins e as que são boas, são cartas "quebradas". A solução pra isso é restringir o uso. Acredito que quem tem um set e não é investidor, estará mais aberto a se desfazer das demais.

morgoth_lotr (10/05/2018 02:44:28)

A Wizards já deu a sua solução pra Reserved List; ela se chama Modern.
Vc pode gostar ou não, mas esse é o formato eternal que foge à Reserved List.

Eles não tem interesse em fazer outra solução, mesmo que toda a questão da perda de valor fosse balela.

"Viabilizar" (deixar RL acessível) o Legacy vai ter um efeito maior em roubar players dos outros formatos do que efetivamente trazer novos jogadores. Se alguém acha que quem entrou ontem no mtg vai se lançar no Legacy aos montes só pq agora um Underground Sea custa "apenas" USD100 está redondamente enganado.

O que eles ganham com isso?

Quem tá esperando o fim da RL, é melhor entrar pra seita. A seita que dói menos...

VIP OURO Cassius (10/05/2018 02:01:26)

Não acho que chegue a tanto assim, acho que acabar com a reserved list seria muito bom a longo prazo para atrair mais jogadores e até permitindo uma evolução mais lenta e, portanto, mais duradoura do jogo...

tattoowalker (10/05/2018 01:08:33)

A empresa vai ficar vulnerável, o jogo pode acabar

STANDARD patocards (09/05/2018 22:22:22)

O problema de fazer outras cartas que reproduzam as habilidades de cartas da lista reservada é que as cartas desta lista continuam sendo utilizaveis e você aumenta as opções. Você não resolve o problema, e talvez crie outros.

A solução mais simples? Banir tudo que ta da reserved list. Pronto .. ninguem usa as cartas para jogar, só para colecionar.

Loucura ein .. uhauhauhauhauha

VIP OURO Cassius (09/05/2018 21:19:14)

Pq vc acha isso?

VIP OURO Cassius (09/05/2018 19:21:33)

Outra forma de forçar a empresa a questionar sua política de manter a reserved list é justamente os jogadores de legacy boicotarem outros formatos. Pararem de jogar mesmo, assinarem manifestos / abaixo assinados alegando que irão parar de jogar Magic caso a Wizards não mude sua política de reprints no que tange a reserved list. Basta ter organização e se manifestar contra isso. Nenhuma empresa quer perder dinheiro, se eles perceberem que manter a reserved list irá gerar mais prejuízo do que aboli-la, eles explodem a reserved list no dia seguinte...

tattoowalker (09/05/2018 18:48:13)

Se eles quebrarem a lista todos vão perder. Eles e nós. A lista foi um erro mas já q fizeram tem que manter.

vitinratin (09/05/2018 18:28:15)

Ou então um artefato 0 manas, sacrifique um terreno desvairado, o artefato gera 1 mana de qualquer cor.

Terreno dual que entra em pé se mandar um terreno basico no exílio, se pode jogar ele ate o final do seu próximo turno a partir do exílio.

Ou então

Criatura 0 manas lendária 0/1 que gera uma mana de qualquer cor ( mais roubado que bardy of paradise )

Existem varias possibilidades de fazer cartas tão boas quanto as duas.

Terreno lendário que entre em pe e gere uma incolor, ou uma mana das cores que você tiver na mão.

Wizard ta de palhaçada -.-'

Ou então uma bem op!

Terreno lendário, ele começa no campo de batalha, gere uma mana de qualquer cor, você não pode jogar terrenos no turno inicial.

Opções é oque não falta!

Cristhiano (09/05/2018 18:05:09)

Nesse caso estamos falando realmente de investidores, os processos contra a Petrobras estão na casa dos bilhões e são conglomerados de investidores específicos, diferentemente dos "investidores" de Magic. Compare o valor de mercado da Hasbro e da Petrobras, só em multas pagas a Petrobras poderia comprar a Hasbro. Os "investidores" de Magic não possuem poder para quebrar a empresa e as custas dos processos não pagam as cartinhas sujas de poeira que eles acumulam.

Quer fazer um artigo verdadeiro sobre a RL?Só falar que a Wizards não acaba com a RL simplesmente porque não quer, nada mais que isso. Maro pode fingir que não gosta da lista para agradar a maioria da comunidade de jogadores de Magic que interagem com ele, mas no fundo ele também é um dos que não quer acabar com essa lista.

vitinratin (09/05/2018 18:03:59)

Minha solução é fazer as cartas novas do T2 com efeitos não iguais, mas melhores do que as da reserves liste por exemplo um dual land que gere 2 mana das combinações, entre desvirado e retorne um terreno para sua mão ( existe uma carta parecida, mas não nesse nivel ).

Fazer cartas novas "abusivas" porem que não desbalanceio o jogo. Exemplo essa carta nova ai que bloqueia efeitos de gera 2 manas ou mais.

Amo commander e já vi muita carta legal para por num commander estar em presos abusivos sem nem mesmo ser uma carta tão boa assim e nem sequer jogar outros formatos .

A única carta assim que eu poderia defender é a black lotus que é roubada mesmo, porem se pega cartas como dark ritual ( acho que é assim ) é mais fraca, mas ainda assim é poderossima e valida, então assim magic é uma bagunça, o T2 esta precisando receber um power up.


Um deck de dragões decente também mataria minha vontade ... Mas ai é gosto meu :p kkkkk

danielalmeida (09/05/2018 17:20:12)

Não precisa acabar com a lista de reservadas para "salvar" o Legacy. A unica coisa que precisa ser feita é dar um jeito de tornar as duais acessiveis.

Com dual acessivel, foda-se se berço de geia passar a valer 10 mil reais, se led passar a valer 8 k. Você nao precisa dessas cartas da RL "super especificas" para jogar legacy em alto nivel. Os princiapis decks do formato (em termos de resultado) não usa nada da RL alem de dual. Sim, vai ter uns 5-7 decks que usa carta da RL que vai ser praticamente impossivel montar devido ao preço, no entanto vai ter outras 50 opçoes de deck viavel de todos arquetipos possiveis.

E não acho que tornar dual acessivel seja uma tarefa tao dificil. Ora, é so printar elas no T2 um pouco melhor de maneira que descaracterize reprint funcional. Um exemplo bobinho: Uma "Energy Tundra" que qnd entra em jogo te da 1 marcador de energia seria reprint funcional aonde? Energy foi uma mecanica super utilizada no T2, nao tem como falar que isso seria reprint funcional. Essa habilidade teria impacto bastante nulo no legacy e para o T2 seria bem consideravel. Obvio que deveria ser feito um ajuste das cartas q usariam energia para fazer algo de forma a nao se tornar overpower. No modern? Ban nelas. E pronto. Isso foi so uma exemplo idiota, mas existe outras 200 opçoes de " new dual" que fugiria do conceito de reprint funcional. Basta a Wizard querer...

hammer0S (09/05/2018 17:18:04)

O que eu entendo de tudo que esta acontecendo é uma grande omissão por parte da Wizards de conter esse buyouts que esses "investidores" de magic tem feito nos ultimos tempos.

So pra constar Underground Sea custava certa de 1200 reais ate inicio de janeiro/2018 , Gaea's Cradle custava 600 reais em janeiro/2018.. todo esse spike é culpa dos "investidores" porque na cabeça deles cartas da RL(especialmente old duals) não devem ser "baratas" por que Legacy é um formato "premium" como Vintage e criam essa "ilusão" de que o formato tem muita demanda por old duals pra justificar esses aumentos.

Eu creio que existe duas possibilidades:

1) Wizards deve parar de fazer GPs legacy ou dar suporte a qualquer evento oficial pro legacy, manter o formato 100% online

2) Começar a fazer boicote, esvaziar eventos, não comprar mais cartas da RL.
Os jogadores precisam dizer pra wizards que não é desse jeito que o legacy tem ficar.

paradaxarada (09/05/2018 16:03:13)

Vá ver o processos da petrobras por prte dos investidores internacionais... ta achando que todo lugar do mundo é igual ao Brasel?

Cristhiano (09/05/2018 15:37:34)

Não da processo. Sai do mundo da imaginação do Magic por um momento, conhece as empresas X do Eike Batista? Diga-me o nome dos investidores que processaram e ganharam de volta o investimento quando descobriram que suas ações custavam 0,90 centavos. Você fala em processo sem critério algum, não sabe o que é contrato jurídico, lide, partes,litisconsorte... Você não entende nem mesmo de Magic pelo seus comentários e quer discutir questões jurídicas. Poupe-me.

VIP OURO ThiefSlayer (09/05/2018 12:28:59)

Ah vdd, entao espalhar pra todo mundo que o negocio é seguro pq a empresa vai fazer X e depois fazer Y e ferrar com todo mundo nao da processo. Ta bom, "estudadao", vou ignorar a opiniao de gente formada no assunto pra acreditar no troll da liga que nao tem qualquer base.

tattoowalker (09/05/2018 12:02:04)

A premissa do jogo é essa. "Trading card game". A empresa lucrou com reserved list de maneira direta ao propor essa dimensão ao jogo. Não precisa dizer muita. É bem claro a margem do "Trading" a especulação é parte do jogo e não devemos crucificar quem o faz.

ubermagic (09/05/2018 11:51:18)

Se me permitem a adição de um ponto de vista, acho que o comentário do "kuung" aqui abaixo foi o que me parece mais ter se aproximado do grande fundamento que a Wizards tem pra não mexer na Reserved, a estrutura de preços relativos dos cards.

Não sei se conseguirei explicar bem esse ponto de vista, mas a ideia é que um Goyf custa o que custa porque uma Dual Land custa o que custa. Um Karn custa mais de 300 reais porque existem cartas de mais de 2000. O que faz que algumas cartas custem 50 e por aí. Por favor, não se peguem nos nomes das cartas nem no seu valor. A ideia é que os preços das cartas conversam entre si e por isso olhamos pra um carta e as vezes dizemos algo como - que surtado esse preço, como pode ser tão caro se essa outra carta custa isso!

Pois bem, essa estrutura de preço se relaciona também com um determinado e específico preço. O do booster de novas edições. A Hasbro tem um custo de produção e distribuição de primeiro ciclo que não faço muito ideia de quanto seja (se alguém tiver mais informações sobre isso e quiser compartilhar...), mas que deve estar bem abaixo do valor de um booster. Ao fim das contas é papel, tinta e um pouquinho de plástico. Pensando em um booster a 15 reais quando parei de jogar a 2, 3 anos atrás, eu chutaria que chega a 11 reais para o varejistas, uns 4 a 5 reais para os intermediários e uns 6 a 7 reais para a Hasbro para um booster de menos de 1 real de produção e distribuição, sendo essa logística a parte mais cara inclusive. Isso dá uma margem muito boa para a Hasbro e ela gosta dessa margem, está acostumada com ela, não pensa em diminuí-la e se possível gostaria de aumentá-la.

Nesse sentido, o efeito maior de reprints, tudo o mais constate, seria diminuirem os preços da estrutura de preços relativos. Ou mesmo alterá-la de um jeito bastante incerto em um jogo onde há um quinzilhão de possibilidades, o que deve fazer a empresa penar pensando sua estratégia de mercado. Com cartas mais baratas o booster invariavelmente teria de ser mais barato e a margem da empresa menor.

Quando a Hasbro pensa na possibilidade de reduzir sua margem ela está pensando em compensá-la por escala, ou seja, vender mais por jogadores, mas, principalmente, ter mais jogadores. Isso é uma questão bem delicada porque normalmente os jogadores se contentam com 4, 5, cópias de um card. Ninguém bebe mais água se ficar mais barata. E o resto é a competitividade de um mercado de entretenimento fundamentalmente para jovens não-casados, ultimamente até recém-casados, que vai desde jogos de video-games de última geração até o clássico Xadrez. A empresa deve produzir vários prospectivos sobre isso tentando conseguir uma expansão sólida.

Acredito que ela deve saber que tem uma faixa de mercado mais ou menos garantido e com um teto de jogadores não muito elevado. Assim, não vejo ela pensando em massificar o Magic muito mais que agora, ainda que imagine que ela desejasse muito isso.

Logo, só consigo pensar na Reserved sendo abandonada se de certa forma houvesse um colapso da venda de novos boosters. Ou seja, se ela perdesse sua margem de lucro sigficativa e involuntariamente, talvez partisse pra uma estratégia agressiva de reprints. Mas como o Magic é um jogo de muitas possibilidades, me parece que sempre é possível soltar um ou outro card que vá mantendo as vendas dentro das suas prospecções de números de jogadores e deixando a estrutura de preços relativos dar uma boa margem para a empresa.

Também gostaria de ver a Reserved ir pro saco. Mas me parece que a empresa só acharia isso sustentável com uma grande expansão do número de jogares que desse, a um só tempo, escala de impressão para a empresa e efeitos não tão insatisfatórios sobre a estrutura de preços relativos, a ponto do lucro geral da empresa aumentar. Afinal, business as usual.

Mcfly (09/05/2018 11:44:21)

Concordo que foi um erro criar a Reservet List, mas seu fim é bem improvável. A Wizards, em 2010, lançou um produto que tinha uma carta da Reserved List e teve prejuízos financeiros (queda de suas ações) que levou quase uma ano pra se recuperar.

Eles já mexeram nesse vespeiro uma vez, e não foi bom para a empresa. Duvido que façam de novo.

penedo_adm (09/05/2018 10:54:30)

Não sou eu quem vai tentar mudar a sua opinião sobre a Reserved List.

Mas você considerou apenas um lado ao defender seu ponto de vista.

Você cita um "bom relacionamento" com os clientes. Quais clientes? Eu acho péssimo o relacionamento. Graças a reserved list meu formato preferido ficou impraticável.

Essa parada de proteger o investimento é chorume de playboy.

A galera que joga T2 investe a cada nova edição. Eles perdem mais do que qualquer outro e, mesmo assim, o formato só cresce.

O dia que a WotC tomar vergonha na cara, assumir o erro e acabar com a Reserved List muita gente vai perder dinheiro? Óbvio que vai! E a intenção é essa mesmo! Tirar o jogo das mãos dos especuladores.

Se alguns vão querer largar o jogo após o prejuízo, pode apostar que outros vão se interessar pelo jogo, pois ele ficou mais acessível.

Agora vou deixar duas sugestões para resolver a questão da Reserved List

Sugestão friendly:

A WotC deveria anunciar imediatamente o fim da Reserved List e não reprintar nada.

Deixa só o susto dar uma mexida no mercado. Depois ela elabora qual a melhor maneira de agir.

Sugestão puta revoltz

A WotC anuncía o fim da Reserved List junto com o lançamendo do Duel Deck Legends vs Urza's Power. Fim.

Cristhiano (09/05/2018 08:50:37)

Não existe mesmo.
Se fosse assim investir em empresas e em ações seria o negócio mais seguro do mundo. Basta a empresa fazer merda que poderei processá-la por perda e danos e recuperar todo o meu investimento. Não existe isso. Cambada de leigo que nem ensino médio deve ter querendo comentar sobre um assunto que não dominam nem o básico deve dar nisso mesmo. Ter que ler que dono de dual lands que custam 500 dólares irão processar e falir a empresa é patético.

paradaxarada (08/05/2018 22:03:49)

É proibido a printagem de novas pautas para a discussão..

VIP OURO ThiefSlayer (08/05/2018 21:08:27)

Nunca vi nada como o loop que dá os comentários de vídeo/artigo sobre a reserved list:

*Isso de multa não existe pq não tem um contrato assinado (o mais bizarro IMO)
*Fazer dual lendária
*Legacy sem reserved
*Buyout
*Alguem vindo fazer o comentário que eu fiz

HHHH (08/05/2018 21:03:59)

Basta printar um ciclo de dual lands que seja levemente melhor que as old duals, por exemplo: se vc tiver as 4 lands com o mesmo nome em campo de batalha vc poderá comprar um card.

Loras (08/05/2018 20:04:01)

Fiquei pensando algum tempo sobre o assunto e acho possível a criação de cartas com power level que possam ser incluídos no legacy (por meio das edições próprias, como conspiracy, battlebond, etc), que possam fazer com que as pessoas que não possuem as cartas da Reserved List que e que veem jogo no legacy, possam jogar competitivamente.

Interessante observar que o legacy, recentemente, possui muitas cartas de coleções 'novas', como o próprio Delver of Secrets, Shaman, Ponder, Stoneforged, entre outros, que jogam tranquilamente o formato.

Acredito que o que realmente atrapalhe a entrada no formato é a aquisição das olddual, necessárias para a criação de decks no formato.

Mas, outra coisa que deveríamos pensar é o seguinte:

Qual o formato adotado pela wizards como plataforma de sucesso: Standart e Modern, justamente os formatos que propiciam retorno financeiro para a wizards com a venda de booster.

O legacy não traz rendimentos para a wizards,portanto, eventual investimento no formato fará com que os dois citados sejam prejudicados, e isso, a wizards não irá querer.

VIP OURO Cassius (08/05/2018 19:29:08)

Pode parecer simplista, ou até usual, mas ainda acho que a opção de criar dual lands ou outras cartas da RL levemente melhoradas seria uma ótima opção para resolver a questão da Reserved List, na verdade não consigo enxergar nenhum motivo para que isso não seja feito...

Tyr (08/05/2018 16:06:04)

Cara, vejo isso até no pauper... Gente que pega TODAS as cartas de TODAS as lojas da minha cidade pra guardar esperando valorização... cartas de 10 centavos que eles esperam vender um dia por 250 reais...
Realmente, é passar a faca no coração do jogo...

Artyx (08/05/2018 15:46:25)

Em 2012 vendi tudo que tinha legacy pra comprar cartas de comander justamente por que não conseguia acompanhar mais o formato, não me arrependo pois hoje tenho praticamente pool para montar todos os decks de commander, mas sinto falta de poder jogar o formato com o melhor power level do magic

Acho que a RL nunca vá acabar, sou contador e aprendi na faculdade que o risco jurídico é um tipo de risco a ser evitado, é considerado um risco não-controlável, não tem como fazer projeções a respeito do custo final dos processos e das indenizações. A WOTC como empresa não vai correr esse risco.

Do jeito que está o Legacy vai acabar virando o atual Vintage e o vintage só um formato do mol. Uma possível solução para não perder todas as cartas que não são da RL e não estão no Modern seria criação de um "New Legacy" com as cartas do Legacy padrão excluindo as cartas da RL e criando uma nova banlist pro formato.

Acho que é até uma questão de tempo que os jogadores comecem a procurar alternativas de formato para lidar com esse problema de entrada no legacy. Não me lembro se no Modern foi assim mas no frontier e no commander foi a comunidade que criou os formatos, talvez a WOTC só está esperando as pessoas abandonarem o legacy e migrar para esse "novo formato". Torço muito que isso aconteça pelo menos.

Genesis_brh (08/05/2018 15:00:53)

Quer baixar o preço absurdo de cartas reserved, simples, baneas, com certeza o legacy vai começar anter mais players.

Esse lance de reserved list ficou claro que não será desfeita, já tem 20 anos que se discute isso e pioraram com a conclusao de 2010 por reprint de cartas promo, pra mim a unica soluçao é banir elas em torneios sancionados! Assim players não precisarão gastar uma fortuna em cartas e os colecionadores estarão felizes e contentes por sua coleção não possuir uma reedição.