Por Dentro do Bant Midrange
12/06/2018 18:00 / 4,140 visualizações / 4 comentários

 

Fala aí, galera, estou de volta com mais um artigo do nosso amado Standard.

No final de semana, do dia 1 ao dia 3 de junho, tivemos o PT Dominaria, onde muita gente esperava mudanças e decks novos, mas infelizmente isso não aconteceu. A dominância de BR, Mono Red e Controles não foi alterada, porém o que surpreendeu foi a quantidade de Mono Red e BR no Top8 e Top16. Isso me fez pensar em algum deck que fosse forte o suficiente para jogar contra os BR e Mono Red, ganhar, e não perder facilmente para os controles. E, com isso, comecei a pesquisar os decks possíveis, conseguindo achar um que estou testando. Eu joguei umas 15 partidas com ele, sendo 5 Mono red e BR e não perdi uma, peguei 2 controles e fiquei 1-1.
 
Bom lembrar, gente, que ainda não fechei uma lista certa. Esse também é um dos motivos para colocá-lo aqui e para que vocês possam dar sua ideia e opiniões. Tento acompanhar muitos brasileiros que jogam, fiquei curioso sobre um deck de um jogador e soube que um baralho usado por um brasileiro não perde para Mono Red nem BR, porém controles venciam-no muito facilmente. Ai fui ver o deck (segue a lista abaixo) GW midrange do Marcos Paulo de Jesus Freitas (Obama) e gostei muito da lista. Joguei algumas partidas com ele e realmente é muito forte contra BR, Mono Red e aggros no geral, mas seria praticamente derrota automática contra controle. 
 
GW aggro (Obama) - Standard
2018-06-11

Jogador

RoxWeek

Visitas

4810

Código Fórum

[deck=916616]
 
A partir disso, tentei colocar azul, baseado em alguns bants que jogavam há cerca de um mês.

E assim eu trago o Bant Midrange para vocês, a fim de tentar solucionar o problema dessa onda vermelha que aflige o mundo do Standard. A ideia é a mesma, mudei somente algumas cartas do maindeck e quase o sideboard todo. Espero que gostem e, para quem tenha boas ideias, deixem nos comentários.
 
Uma alteração que eu fiz e que ainda não sei se foi boa foi trocar Angel of Sanctions por Lyra Dawnbringer, mas Lyra é forte demais contra Mono Red e contra BR Ballista. Coloquei Skysovereign, Consul Flagship, também em fase de teste. O navio é forte demais contra alguns decks, vencendo sozinho. Troquei Gideon of the Trials por Karn, Scion of Urza por causa dos controles e porque você faz as criaturas rapidamente e consegue proteger o Karn tranquilamente, ainda mais com History of Benalia. No sideboard mudei muita coisa, principalmente contra controle, que é a bad match do deck. Coloquei 4 Negate, 2 Spell Pierce, Sorcerous Spyglass contra Deus UB (uma carta forte demais, e no meu ponto de vista, Spyglass é uma staple).
 
Segue a lista:
 
Bant Midrange - Standard
2018-06-12

Jogador

Ruda

Visitas

4156

Código Fórum

[deck=917260]
 
Vou falar um pouco do deck contra os principais decks do PT.

Mono Red 
 
Deck campeão do PT e, sem sombra de dúvida, um dos mais fortes atualmente. Sua velocidade de agressão é simplesmente incomparável, e todas as suas criaturas tem alguma habilidade para perturbar seus inimigos. Esse game é muito tranquilo, e você só perde se vier lento demais, zicar ou floodar. Tome muito cuidado com algumas coisas, como a sinergia de Soul-Scar Mage e Goblin Chainwhirler. Nessa hora, eu sinto falta de Walking Ballista para tirar o Mage. Além disso, tome cuidado com Hazoret the Fervent e Rekindling Phoenix: você tem sempre que deixar recursos para essas duas cartas, mas no game 1 você leva muita vantagem. Com sideboard, fica bem mais equilibrado o jogo — ele coloca Chandra, Torch of Defiance e Glorybringer, o que o leva a ter muitos recursos, mas nada muito absurdo.

BR Aggro 
 
A ideia é a mesma do Mono Red, porém Scrapheap Scrounger e Unlicensed Disintegration no maindeck são bem fortes. Ainda que você consiga segurar tranquilamente Heart of Kiran, é uma carta bem chata, no entanto seus Dinos dão conta.  A grande diferença desse deck para o mono red é ter mais recursos, mas no geral, eu acho que fica mais simples de se segurar. Apesar de a maioria usar 4 Rekindling Phoenix, alguns usam poucas Hazoret the Fervent ou nenhuma e, nesse caso, Lyra Dawnbringer tem que ser muito bem pensada na hora de usar, porque Unlicensed Disintegration te dá belos outs.

Controles
 
Esse game, no G1, é bem complicado: você só consegue ganhar se rushar, porque se o jogo for se estendendo, a situação piora para você. Apesar disso, temos Karn e Teferi e, se conseguir colocá-los em campo, dá para ficar mais disputado. Essa foi minha ideia para o game 1 ficar mais equilibrado. Com side o game melhora, com a entrada de Negate, Spell Pierce e Nissa, Forca Vital . Isso faz com que você consiga manter a pressão com suas criaturas e protegê-las. Ademais, usamos Sorcerous Spyglass quando tem Deus UB ou queremos travar o Teferi do meu oponente (é bom lembrar de tirar os seus). Dá para usar a luneta contra Arguel's Blood Fast e Azcanta, a Ruina Submersa também.
 
Steel Leaf Stompy 
 
Esse game é bem difícil; tem que tomar cuidado com muitas coisas, principalmente com Steel Leaf Champion, Rhonas the Indomitable, Ghalta, Primal Hunger e Blossoming Defense. Heart of Kiran com Defense é muito complicado nesse jogo. Esse deck fica grande rápido demais, bem mais do que você consegue segurar, ainda mas se não conseguir colocar um Settle the Wreckage ou Fumigate. No game 2, fica um pouco menos complicado; eu pensei muitas vezes em colocar Fumigate maindeck, porque é um jogo chato de se ganhar, talvez coloque um de side.
 
 
Espero que gostem do artigo. Qualquer dica ou crítica deixe nos comentários que tentarei responder o mais rápido possível. Digam-me o que acharam do deck, se gostaram das mudanças ou se mudariam algo!
 
Bom jogo!
 
 
TAGS: 

Daniel Sant Anna (VIP STAFF RoxWeek)
Força bruta ás vezes pode vir a derrubar uma porta. Mas a sabedoria é uma chave mestra.
Redes Sociais: Facebook
LigaMagic App

ARTIGOS RELACIONADOS

RPTQ Trios - Preparação

Escolhas e métodos.


Três Rogues para o seu Trio

Opções para diversificar as listas do RPTQ.


Na Grande Final do CLM11: UW Cycle

Standard: UW Cycle, de Leandro Gurther.


Na Grande Final do CLM11: Esper Control

Standard: Esper Control, de Vitor Mattas.


O Standard se move!

Metagame, deckslists e mini-report.





Comentários

Ops! Você precisa estar logado para postar comentários.

VIP STAFF RoxWeek (13/06/2018 14:19:30)


Entendi, boas ideias vou testar Obg ^^

Dranzerino (13/06/2018 02:34:11)

Gostei bastante da ideia do deck GW,justamente para jogar contra os controles eu acrescentaria 2 bestiarios do vivideiro do side, acredito que com o side out dos fumigates ter algo na mesa que faça você ter um draw advantage seja uma boa opção para tentar continuar pondo pressão na mesa e o Deck não perder o fôlego. E talvez valesse a tentativa é teste da intervenção heróica, você ter algo contra o fumigate e que te ajuda em varias outros match é de se pensar.

VIP STAFF RoxWeek (12/06/2018 21:34:55)


Obg pelo comentário,realmente é um deck caro, mas acho que tem muito potencial.

BlindDefender (12/06/2018 20:44:13)

Gostei bastante do artigo, é um deck que montaria, com certeza, pela color pie, mas como algumas cartas aí estão extremamente caras, prefiro continuar com meu bw vampiros, que não chega a ser totalmente competitivo, mas tem uma boa mu contra decks tiers. Não entendo como nem sequer é visto em torneio grande com um ou outro jogador :(