O Submundo do Modern - White Devotion
29/06/2018 14:00 / 6,204 visualizações / 12 comentários

 

Olá, meus caros jogadores! Hoje é dia de uma estratégia focada para o controle, um tanto quanto parecida com outra que abordei já há um bom tempo, com Enduring Ideal, focada em encantamentos, mas com algumas cartas bem diferentes.


Eu já tinha ouvido algo sobre o deck nos grupos que frequento, mas até então não havia encontrado nada sobre ele. A única informação que tinha era sobre "um deck que ganhava com Phyrexian Unlife", coisa que meio que não acontece aqui, mas ainda assim, a carta é bem importante dentro da estratégia. A lista, pilotada por Christopher Torres num torneio em Mandaluyong, pode ser conferida a seguir:
 

White Devotion - Modern
2018-06-28

Jogador

Teddy_Bear_X

Visitas

6340

Código Fórum

[deck=930957]

 

Como o título já diz, aqui conseguimos nos aproveitar bem das manas brancas presentes em nossas permanentes, o que faz com ele ganhe o nome de "devotion", tornando Nykthos, Shrine to Nyx, uma das cartas mais queridas dentro dessas 60 cartas. Nossa estratégia aqui é nos proteger de todas as maneiras possíveis e, com o tempo e muita paciência, conseguir algumas fichas de anjo para encerrar a partida com nossa vitória.
 

Até esse fim de jogo chegar demora um pouco, por isso a maioria das nossas cartas são escolhidas a dedo para negar as cartas e as estratégias do oponente, seja elas confeccionadas para ataques diretos, dano direto ou algum tipo de combo maluco. O que temos aqui consegue parar praticamente tudo no formato.
 

Organizando elas por custo de mana, do menor para o maior, para explicar suas funções um pouco melhor, temos como primeira arma de ódio, Path to Exile e Kami of False Hope.

 


 

A remoção meio que dispensa explicações, já que só não conhece ela quem não joga o formato (e olhe lá), porém devemos ter determinada cautela a usar ela aqui, ainda mais no começo da partida, já que nossa estratégia é um pouco lenta para engatar, então contra algo muito agressivo, o terreno extra que oferecermos no começo da partida pode nos custar ela toda.

 


 

Em contrapartida, Kami of False Hope serve justamente para atrasar um pouco esses decks, tirando deles por um turno qualquer dano que seria causado em combate. Claro que ele estar presente no campo de batalha é estranho, justamente por tirar o fator surpresa do efeito e ainda poder ser removido por algo, mas lembrem-se, antes de colocar um Holy Day em seu lugar, que quanto mais manas tivermos em jogo, mais poderoso nosso terreno fica e mais cartas podemos conjurar com ele. Além do mais, se pegarmos um algum deck que não conta com criaturas, como Lantern, podemos usar um Path to Exile nesse nosso Kami para acelerar nosso jogo.

 


 

Runed Halo e Quarantine Field vêm logo em seguida e são os primeiros encantamentos a serem abordados aqui. O primeiro nos torna imune contra qualquer carta, o que muitas vezes pode acabar com um deck inteiro de uma vez, ainda mais quando lutamos contra combos. Nomear Grapeshot pode acabar facilmente com qualquer Storm despreparado, ou pelo menos atrasar bem o seu jogo. Nomear Valakut, the Molten Pinnacle, Pestermite ou Deceiver Exarch também acaba com mais da metade dos decks que contam com essas cartas.
 

Além disso, podemos também nomear alguma criatura de um Infect ou Auras, decks que geralmente ganham em uma ou algumas poucas pancadas, mas que possuem uma lista de criaturas pequenas e, como não possuem ímpeto, nos garantem um turno para o que seja lá que caia no campo de batalha seja nomeado antes de nos matar no próximo.
 

Quarantine Field parece meio exagerado, pois mesmo estando na linha hierárquica de custo 2, ele nunca vai cair no campo de batalha por menos de 4 manas, salvo situações onde as manas brancas de seu custo nos são mais úteis para mais mana ainda com um Nykthos do que sua habilidade de remover permanentes... Como isso é algo que se vê uma vez na vida e outra na morte, vamos nos atentar a seu efeito principal.
 

Tudo bem que para uma permanente ele é pior que Oblivion Ring, porém lembro de novo da existência de Nykthos no baralho, então é altamente provável que quando o conjurarmos ele será responsável por retirar três ou quatro permanentes de nossa frente. Lembre-se apenas de que é a única opção que temos na lista principal para nos livrarmos de qualquer coisa que não seja criatura. Apesar de várias cartas nos protegerem do avanço do inimigo, essa é a única que permite nos livrar de cartas do oponente que impedem o NOSSO avanço.

 


 

Na curta 3, contamos com Ghostly Prison, Phyrexian Unlife e Solemnity. A primeira é mais uma arma contra decks agressivos, simples e direta, porém sozinha acaba sendo pouco eficiente contra decks que jogam com uma criatura grande. Não há nada demais em pagar duas manas para o ataque de uma Death's Shadow, um Emrakul, the Aeons Torn ou uma Gladecover Scout mais armado que um Megazord. Nessas situações é sempre bom confiar em outras alternativas, mas tenha certeza que contra qualquer agressivo que conte com o ataque de um exército para ganhar, eles ficarão realmente presos com esse encantamento.
 

Agora Phyrexian Unlife e Solemnity compõem a parte interessante do deck. A primeira não nos permite perder o jogo por termos 0 pontos de vida ou menos e faz com que qualquer dano abaixo disso seja causado em forma de marcadores. A segunda não nos permite ter marcadores. Junte os fatos.
Dessa maneira nos tornamos imortais a qualquer estratégia que tente acabar com nossos pontos de vida. A lista conta com inúmeras proteções contra criaturas e até mesmo contra dano direto de várias maneiras, porém aqui a nossa proteção é contra tudo o que está no deck enquanto esses dois encantamentos estão no campo de batalha.
 

As únicas coisas capazes de nos fazer perder o jogo, nesse caso, é acabando com as cartas em nosso grimório ou, de fato, realizando algum feito que traga a vitória diretamente, como Approach of the Second Sun, que inclusive está presente em nosso próprio sideboard.
 

Tome cuidado apenas com a interação ruim que Solemnity tem com nosso Quarantine Field, já que impede que ele possua marcadores, não removendo nada independente do número de mana gastos para conjurá-lo. Por outro lado, ela consegue ao mesmo tempo que nos deixa imortal, acabar também com combos como Melira, Paria Silvoque e Vizier of Remedies, além de prejudicar bem cartas como Arcbound Ravager, tudo isso na nossa lista principal, contra principais decks do formato.
 

Com 4 manas conseguimos conjurar Leyline of Sanctity e Wrath of God. Claramente nossa intenção com essa Leyline é começar com ela em nossa mão inicial, mas a probabilidade disso não acontecer é alta, o que não significa também que ela seja inútil quando a comprarmos e pudermos conjurar normalmente. Ela pode até perder um pouco de seu poder contra descartes nessa situação, mas ainda nos protege muito bem de vários Lightning Bolt e Grapeshot. Já Wrath é nossa resposta definitiva contra qualquer criatura, ou a imensa maioria delas, sem muito o que falar sobre: use quando necessário.
 

Por fim, ao chegarmos na 5ª mana temos acesso a Sphere of Safety, algo que acaba completamente com a esperança de qualquer deck levar a vitória sobre a gente através de ataques diretos, já que com essa quantidade de encantamentos que temos, um ataque vai demandar muito, mas muita mana mesmo. Enquanto Sigil of the Empty Throne é, finalmente, nosso caminho para a vitória.
 

Como podem ver, o caminho para a vitória é longo, então temos de aproveitar ao máximo tudo o que está ao nosso alcance para anular as jogadas do oponente. Nesse caso, conhecimento prévio do que consta no deck de cada oponente é crucial, ainda mais quando jogamos com nomeação de cartas, vide Runed Halo e Nevermore em nosso sideboard. Como disse também, nossas duas cópias de Quarantine Field são nossa única opção para cuidar de coisas que não são criaturas, então devemos conjurar elas pontualmente para acabar, por exemplo, com uma Ensnaring Bridge que impede nossos anjos de atacar.
 

Mais do que treino com o próprio deck, conhecer o ambiente é fundamental nesse caso para não perdemos por um leve descuido ou um "putz, ele usa essa carta". Erros assim nos custará fácil a vitória da partida, sem volta na maioria das vezes.
 

Por outro lado, contra decks que contam apenas com criaturas e poucos recursos para contornar nossos encantamentos, a vitória é muito fácil se segurarmos bem os três primeiros turnos do jogo, até cair a primeira Ghostly Prison, conjurarmos uma Wrath of God ou até mesmo uma Sphere of Safety. Se alguma dessas cartas cair no campo de batalha, em conjunto com outras que já devem estar por lá para nos proteger, a vitória é bem certa contra criaturas.
 

O mais legal é que o deck consegue se adaptar bem contra várias estratégias, já que encantamento branco para nos proteger dos mais variados efeitos parece não faltar. Suppression Field, Porphyry Nodes, Greater Auramancy, Stony Silence, Starfield of Nyx... Enfim, podemos moldar o deck de diversas maneiras sem perder seu foco e sua base, dependendo do que esperamos encontrar. Podemos inclusive mudar nossa condição de vitória, onde até mesmo Approach of the Second Sun na lista principal me parece razoável, já que a vitória é garantida mesmo depois de alguns turnos apenas.
Um ponto fraco para muitos pode ser a questão do preço, então eu realmente não aconselho ir atrás de Runed Halo e Leyline of Sanctity para jogar apenas com essa lista. Agora, caso já possua essas cartas, o resto da lista é relativamente barato e pode te garantir uma boa diversão se você é do tipo que gosta de irritar o oponente antes de vencer.
 

Espero então que tenham curtido essa estratégia, não se esquecendo de comentar o que achou e deixar sugestões para o próximo Submundo do Modern! Até mais e que ótimas mãos iniciais sejam geradas para vocês!

 


LigaMagic App

ARTIGOS RELACIONADOS

Report Top4 Grand Prix São Paulo

Report e Sideboard Guide do Mono Green Tron.


Notícias do Front

Os últimos resultados dos eventos Modern.


À procura do 10/10

A boa para o Grand Prix São Paulo.


Existe uma perturbação na força

Analisando o GP Modern em Las Vegas.





Comentários

Ops! Você precisa estar logado para postar comentários.

VIP STAFF Teddy_Bear_X (02/07/2018 14:48:59)

Sim, eu cogitei muito em sugerir algum Gideon, porém o plano de ataque com ele não é bom, por isso acabei deixando de lado. O campo de batalha ficará com criaturas do outro lado, a não ser em momentos em que conjuramos uma Wrath of God, então atacar por terra é ruim. Ele não ajuda mais do que nenhuma outra carta no deck, então acabou ficando de fora mesmo.


A lógica é que um usamos contra terrenos e outra usamos para proteger nossos terrenos. Contra decks que destroem terrenos, nossos Ghost Quarter não tem a mesma importância do que contra decks que PRECISAMOS dar um jeito de brecar os terrenos, então daremos importância pra um ou pra outro, tanto que Terra Eternal se encontra apenas no sideboard.


O problema de Aegis é ser uma criatura. Como nosso deck possui apenas uma e ela é praticamente ignorada em termos de remoções, qualquer coisa acabaria com Aegis assim que ele entrar no campo de batalha. Porém, buscando se for o caso de ser uma versão Budget apenas para FNMs, não vejo problema nenhum em colocar eles no lugar.


A questão é que para uma condição de vitória, ajudar com símbolos para a devoção pode ser facilmente ignorado. Os 2 símbolos de Sigil é sim importante, mas menos 2 símbolos quando não precisarmos criar tanta ficha de anjo não fará mais tanta diferença num estado avançado do jogo. Por esse motivo, Approach me parece uma boa ideia.

viniciuspsi (02/07/2018 10:54:59)

Mas a Solenidade não atrapalha o Campo de Quarentena?

Dagostini (30/06/2018 12:47:18)

Muito legal o deck, só acho que as leylines deixam um tanto caro, embora seja fortíssima.

Um split de Gideon, pra abusar do emblema do de 3 manas, seria ótimo. O Gideon Jura num deck forrado de gosthly prison e esfera de segurança me parece abusivo com o emblema em campo.

gmila84 (29/06/2018 19:19:04)

O Gideon parece ter uma vaga no deck. Approach não entra porque não geralmente símbolo de mana

craveiro (29/06/2018 17:44:13)

Esse deck perde fácil para uw control, experiência própria rsrsrsrs.

jorgechaos (29/06/2018 16:02:47)

Tinha interesse em montar um deck similar a esse, mas tava pensando em colocar Heliod e Blind Obedience, ou vc acha q seria desnecessario e/ou lento? e por hora como versao Budget, colocar Aegis of the Gods ao inves das Leylines.

Fabio-Patrick09 (29/06/2018 15:29:08)

qual é a logica de usar Terra Eternal com 4 quarter?

Pippo13 (29/06/2018 14:41:30)

Arriscaria Approach maindeck. Não acha interessante Gideon of the Trials? Ele previne dano de fontes perigosas, deixa invencivel e ainda pode atacar no lategame.

Jean_Aoshi (29/06/2018 14:34:41)

Pra isso existe 4 x Nunca Mais no side...

VIP OURO Kopke (29/06/2018 14:34:39)

Nevermore.

GENERALLEE (29/06/2018 14:25:44)

all is dust gg

davidbaron (29/06/2018 14:17:07)

Bem interessante essa lista. Não conhecia ainda. Intervention Pact e Hallow podem ajudar nesse deck.