NÊMESIS – FALHAS
02/09/2018 10:00 / 1,352 visualizações / 7 comentários

 

NÊMESIS – CAPÍTULO 7

 

FALHAS

 

 

Crovax despertou do seu estupor e encontrou três elfos mortos em sua tenda, o sargento    Tharvello ferido e toda sua equipe vociferando sobre um ataque noturno de elfos rebeldes. Ele berrou por silêncio. Ele ordenou que a Primeira Companhia da Cavalaria fosse enviada para se defender dos rebeldes enquanto a Quarta e a Quinta deveriam ficar a postos, aguardando ao norte do acampamento.

A infantaria e os moggs avançariam, formando uma formação de escala padrão com não mais do que dez jardas entre cada companhia. Os moggs iriam na frente dos soldados. Crovax não sabia mensurar a força do inimigo, porém alguns batedores reportaram que podia ser mais do que centenas.

Também havia a possibilidade de ser uma distração. Os outros deveriam ficar em alerta total nas fronteiras. Ele passou por cima dos corpos sem olhar outra vez. Tharvello, cujo rosto sangrava, retornou a sua companhia sem ser questionado ou receber algum agradecimento do comandante.

Crovax emergiu do acampamento e olhou rapidamente pela grama. A noite estava tingida de cobalto pelo brilho distante da coluna de energia da Fortaleza. Acima, as nuvens rodopiavam em um padrão espiral, flashes verdes iluminavam um arco de uma faixa de nuvens para outra.


 

 

Um oficial galopou até Crovax, com sua lança ensanguentada. O inimigo estava recuando para os pântanos. Mas esses não eram elfos rebeldes e sim Vecs. Os ginetes os encontraram se rastejando através da grama, em direção ao acampamento.

Vec?

Aquilo era uma novidade. Então Eladamri tinha aliado agora. Mas isso não importava. Crovax ordenou ao capitão que os forçassem a irem para o limite da floresta, porém eles não deveriam adentrar ao pântano, pois podia haver mais deles.

O capitão fez uma saudação e galopou em retirada.

Crovax chamou por seu kerl. Atrás dele, a Força Expedicionária estava se alinhando na planície como se fosse um tabuleiro de xadrez. Cada bloco representava uma tropa de cinquenta homens, e quatro blocos constituíam uma companhia. Os moggs formavam uma linha irregular à frente das tropas regulares. A formação de batalha de Rath percorria uma milha do oeste até o leste. O centro da cavalaria de Crovax estava posicionada ao norte das tendas, aguardando.

Crovax cavalgou para assistir a batalha. Na misteriosa escuridão, a cavalaria de Rath estava circulando pequenos grupos de guerreiros Vec que arremessavam machados ou lanças de pontas de pedra nos kerls e nos ginetes. Crovax viu uma ponta de lança de pedra se despedaçar no escudo de um cavaleiro e começou a rir.


 

 

“Vamos até eles. São apenas selvagens! Estão usando lanças de pedras! O que são vocês, uma gangue de moggs?”

Mordidos por suas provocações, a cavalaria ultrapassou os Vec, perfurando os guerreiros nômades por todos os lados. Grupos de Vec, que ainda não haviam sido feridos, correram para o pântano.

Crovax se mexeu em sua sela. Isto não era um desafio. Ele ordenou para chamarem as tropas. Os pércheros voaram e berravam ordens. Nasser se aproximou e Crovax o chamou perguntando sobre movimento nas outras fronteiras. O sargento havia enviado batedores em todas as direções, mas não havia sinal dos rebeldes.

Eles cavalgaram juntos até a linha de batalha. Para a surpresa de Crovax, os soldados na linha de frente deram um brado irregular de alegria. Parece que haviam mudado de tom, mas a realidade era que todo soldado almeja pela vitória.

O vento morrera pela primeira vez em muitas horas. Uma frágil calmaria surgiu. A noite ficou mais escura enquanto as nuvens se espalhavam, enchendo o céu. Uma série de ondas de luzes laranjas apareceram na planície ao norte do acampamento de Rath. Longe dali o Hub alterava sua rotação, enviando vento fresco do norte. Ele chegou com força no campo de batalha, trazendo o odor de fumaça?

Fogueiras?” Se perguntou Nasser. Crovax permaneceu em seus estribos. Um cheiro de fumaça branca percorreu a planície. Com seus olhos aprimorados ele podia ver claramente a cavalaria que ficou de reserva.

Alguma coisa estava errada.

Chamas saltavam em direção ao céu da pradaria seca. A planície ao norte do acampamento estava pegando fogo e a mudança na direção do vento estava auxiliando as chamas chegarem até o exército de Crovax.

 


 

“Voltem! O inimigo está atrás de nós!”

Elfos com tochas erguidas, corriam pela grama tocando fogo no mato. Agora, uma muralha de chamas com uma milha de comprimento, avançava em direção a Crovax. Atrás dela, havia mais de milhares de elfos guerreiros.

A cavalaria de kerls eram bestas idiotas, criados para resistência e passividade, mas eles não permaneceriam no meio do fogo. Duas companhias de cavalaria entraram em confusão enquanto o balido das montarias crescia em terror. Relutantemente, Crovax ordenou que saíssem do caminho para que a infantaria marchasse de volta ao acampamento e encontrasse o inimigo.

Barracas e pilhas de equipamentos interrompiam a formação de batalha apertada. A formação em forma de xadrez se desfez em soldados fugindo do vento e fumaça. O espaço entre os soldados de Rath e os elfos diminuiu para poucos metros. As tendas estavam pegando fogo junto com o lado ao norte do acampamento. Atrás das chamas e fumaças, os elfos arremessavam salvas de lanças. As pontas de presas de cobra eram argutas, e embora nem sempre perfurassem a armadura dos soldados, elas encontravam espaço suficiente para infligir algumas casualidades na infantaria que avançava.

Na medida que os soldados diminuíam o passo por causa da salva de lanças, o fogo os alcançava. As fileiras principais acenaram para recuarem. Os moggs já estavam fugindo do acampamento, chorando em alarme.


 


 

“Por que eles estão recuando? Não ordenei retirada!” Crovax berrou.

“Os homens não podem lutar no fogo. Devemos abandonar o acampamento!”

“Entregar o acampamento para os rebeldes? Nunca!”

Ele avançou, atropelando homens e moggs que ficaram no caminho. Uma onda de fogo estava inundando as tendas e quase alcançava o centro do acampamento. Os soldados presos na praça gritavam por socorro enquanto as chamas avançavam. Alguns companheiros tentaram resgatá-los, mas a conflagração rapidamente engoliu a área, transformando a praça numa enorme pira fúnebre.

Crovax ergueu seu escudo para se proteger da salva de lanças. Seu kerl choramingava e anda atrapalhado, ansioso para escapar das chamas. Ele ignorou os protestos da besta, permanecendo sobre seus arreios e encarando as chamas procurando por Eladamri e seus rebeldes.

Comandante ou não, o kerl não aguentava mais. Ele caiu no chão, arremessando Crovax, a besta saltou e galopou para longe. Ele não teve tempo de xingar a estúpida besta, pois as chamas se aproximaram dele. Ele colocou um braço diante do rosto, e esperou pela dor lancinante.

Ela nunca veio.

Crovax sentiu o calor, mas ele nunca cruzou o limiar da dor. Agradecido, ele se pôs de pé. O fogo passou por ele, ainda incitado pelo vento do Hub. Nas luzes bruxuleantes, centenas de elfos levemente armados corria para dentro e fora, erguendo suas lanças acima do fogo que avançava. Rugindo, Crovax avançou para o grupo mais próximo, atacando com sua espada. Os elfos desviaram de sua lâmina, se derretendo de volta na escuridão além da luz do fogo.

“Eu sou Crovax! Crovax de Urborg! Saia, Eladamri, e me encare face a face!”

A menos de trinta metros dali, Eladamri viu Crovax, caminhando, berrando e brandindo sua espada ao ermo. O líder rebelde simplesmente observava o delírio de Crovax. Gallan perguntou a Eladamri se ele iria enfrenta-lo, mas o líder rebelde apenas observava. Crovax estava completamente louco. Embora fosse o comandante inimigo, Eladamri já havia percebido o que aconteceria se ele fosse enfrentar Crovax.

O comandante inimigo caíra de seu animal, caminhou dentro do fogo e saiu ileso. Ele não era mais feito de carne e sangue – ele fora alterado, assim como Volrath. Ele não sucumbiria diante de uma lança de presa de cobra. Colocando a lança por cima do ombro, ele caminhou para partir. Era hora de acabar com aquela batalha. Crovax teria que esperar outro dia para morrer.

Eladamri colocou a mão ao redor da boca soltando um terrível berro. Ele ecoou pela garganta de centenas de elfos ao longo da linha de batalha. O som parou a fútil ação de Crovax que deu as costas para os elfos, caminhando rapidamente de volta para suas tropas chamuscadas e abaladas. Os elfos circulavam ao redor do flanco ocidental do acampamento em chamas.

Lá, Darsett esperava com mais de quatrocentos Dal em completo armamento. Ao lado dele estava Tanta Jova a força principal Vec, trezentos e fortes homens, a maioria armada com armas dos soldados caídos de Rath. Eladamri deu uma tampa nas costas de Darsett e apertou as mãos de Tanta Jova.

Era hora de lavar as lanças em sangue inimigo.

Os três elementos rebeldes avançaram, berrando e gritando, batendo suas armas contra os escudos. Para a infantaria de Rath, parecia que um exército inteiro novo saía da escuridão e se lançava sobre eles. As afobadas tropas da Fortaleza formaram um quadrado vazio para fender as ondas de ataque dos rebeldes, os mortos e feridos se amontoavam mais e mais toda vez que uma nova onda de ataques surgia.

Moggs eram massacrados aos montes. Gradualmente, a exaustada linha de Rath estava sendo empurrada para trás, mudando de quadrado para um triângulo. Eladamri manteve a pressão por toda a noite enquanto segmentos de suas forças eram enviados para a segurança da floresta. O vento do Hub morreu antes do romper do dia, e o fogo se foi. O acampamento era um monte de cinzas. Dos dez mil soldados que chegaram ao limiar da floresta de Skyshroud na noite anterior, dois mil estavam mortos ou morrendo e outros três mil estavam feridos. Somente algumas centenas de moggs podiam ser encontrados. Crovax perdera mais da metade do exército em uma única batalha.

Eladamri não estava em clima de comemoração. Com recursos mais escassos, suas perdas em números eram: mais de cem elfos, três dezenas Dal e quase duzentos nômades Vec de Tanta Jova.

Ele se culpava e culpava Cardamel por ter arruinado a armadilha. Mais seis horas e eles poderiam ter pego todos. Não somente suas vidas, mas armas e suplementos também, mas agora isso seria impossível visto que o acampamento estava arruinado. Tudo isso por causa da pequena travessura de Cardamel.

O jovem elfo, que perdera a mão na batalha, nada disse. Tanta Jova tentou acalmar Eladamri.

“Nós o derrotamos em campo aberto pela primeira vez, meu irmão. Seu novo comandante, Crovax, está desgraçado. Não há ninguém para lidera-los agora. Conseguimos tempo assim como vitória – tempo para negociar em um maior e melhor.”

A velha matriarca Vec caminhou para o centro da casa na árvore. Outras coisas de mais importância demandavam por atenção. O oráculo em-Vec tinha novidades sobre o Korvecdal.

 

 

O Korvecdal era a fábula da profecia Vec, um herói que destronaria a Fortaleza e lideraria o povo de Rath a liberdade. Quando o Bons Ventos veio para Rath havia boatos que seu comandante, Gerrard Capasheno, fosse o Korvecdal. Ninguém mais pensava nisso já que ele partira em seu navio voador e a Fortaleza ainda continuava com seu reinado.

Cada olho na sala se virou para Eladamri que suspirou profundamente. Ele obteve uma grande vitória e seu primeiro pensamento era de preservar seu exército. Profecias sagradas não lhe diziam respeito.

“Nós vamos recuar para Korai. Lá, podemos calcular nossas perdas e talvez ter um vislumbre do futuro.”

 

TAGS: 

Leandro "Arconte" Dantes (VIP STAFF Arconte)
Leandro conheceu o Magic em 1998 e, desde então, se apaixonou pelo Lore do jogo. Após retornar a jogar em 2008, se interessou por lendas, o que resultou por despertar a paixão pela escrita. Sempre foi mais colecionador do que jogador e sua graduação em Pedagogia pela Ufscar cooperou para que ele aprimorasse e desenvolvesse um estilo próprio. Autor de alguns contos, todos relacionados ao Magic, já traduziu o livro de Invasão e criou sua própria saga com seu personagem, conhecido como Arconte.
Redes Sociais: Facebook
LigaMagic App

ARTIGOS RELACIONADOS

Nêmesis – Prelúdio

Lentes.


Máscaras de Mercádia - Acerto de Contas

Parte XV.


Máscaras de Mercádia – Salvem Squee

Parte XIV.


As Máscaras de Mercádia – Maquinações

Parte XIII


As Máscaras de Mercádia - Parte XII

O Lamentar de Ramos.





Comentários

Ops! Você precisa estar logado para postar comentários.

VIP STAFF Arconte (13/09/2018 06:03:35)

Agradeço o carinho de todos vocês ^^

youkai (07/09/2018 04:54:59)

Cada vez melhor!

FFFF (03/09/2018 14:12:59)

Parabéns pelo trabalho!

VIP OURO YudomaJack (03/09/2018 13:44:47)

( ͡° ͜ʖ ͡°)

chris-blind (03/09/2018 11:51:45)

História boa demais!

MarcosCoelho_ (03/09/2018 08:05:52)

massa demais!

VIP OURO evincar (02/09/2018 18:06:33)

Show!!