Report – Vice-campeão Nacional Legacy 2019
Um final de semana repleto de Griselbrands
11/12/2019 18:05 - 7.976 visualizações - 14 comentários

Olá magiqueiros de plantão!! Todo mundo sabe que o Nacional Legacy 2019 já rolou. Aconteceu nos dias 29, 30/11 e 01/12 e foi sensacional.


Dentre outras coisas, teve sorteio de uma Bayou para os 100 primeiros inscritos; teve o leilão de outra Bayou, começando a 1 real no intervalo entre duas rodadas do main event (ambos patrocinados pela Vault of Cards) e no somatório foram distribuídos no final de semana R$ 30.000,00 em premiação.


Sim, nós somos o maior evento Legacy da América Latina e um evento desse não pode deixar de ter report. Por isso, hoje vamos inaugurar uma série de 2 artigos bem legais, que vão ser os reports dos dois finalistas do evento, Roberto Cardoso, que jogou de BR Reanimator e Stefano Silveira, que jogou de Bant Miracles e se sagrou bi-campeão do evento.


Vamos começar pelo vice e abaixo você pode conferir o que ele escreveu sobre o fim de semana dele. Aproveite!

 

Olá! Meu nome é Roberto Cardoso e venho contar a vocês como foi o final de semana mais esperado por mim esse ano. Ocorreu desde a sexta-feira dia 29 até o domingo dia 01 de dezembro, em Belo Horizonte, mais uma edição do maior torneio independente de Magic: the Gathering do Brasil, o Nacional Legacy. O evento deste ano contou com 130 jogadores de todos os cantos do país.


Esse evento é nada mais nada menos que um verdadeiro encontro de amigos que se reúnem anualmente para trocar uma ideia, um pão de queijo, tomar um cafezinho feito na hora, uma cachaça das boas e, é claro, jogar o formato de Magic que a gente ama, o Legado. E ah! Não se engane pelo clima amistoso, pois existe uma competitividade enorme entre os participantes para levantar o caneco e conseguir a melhor premiação possível, contudo o respeito e a amizade sempre prevalecem.


Eu não tinha dúvidas de qual deck eu iria escolher, inclusive a comunidade legacy do Brasil que me conhece também já sabia: BR Reanimator, que me rendeu um TOP8 no mesmo Nacional Legacy, mas o do ano passado, fechando o suíço x-0 naquela oportunidade.


Ao longo de 2019, eu modifiquei a lista várias e várias e várias (e várias) vezes, até chegar a essa configuração para jogar o Nacional:

 

Br Reanimator - Roberto Cardoso
5327 visualizações
10/12/2019
R$ 5.624,96
R$ 7.946,80
R$ 21.711,78
5327 visualizações
10/12/2019
Visualização:
Padrão
Cor
Custo
Raridade
Visual
CMC
Comprar Deck
Criaturas (10)
4  Chanceler do Anexo    21,90
1  Ginete Cinzento     5,00
4  Griselbrand     37,89
1  Tirano Cabeça-D'Água    3,60
Mágicas (28)
3  Capturar Pensamento 98,90
4  Pilhagem Infiel 1,50
4  Reanimar 33,99
4  Ritual Sombrio 0,69
4  Sepultar 33,99
1  Terapia da Cabala 2,77
4  Exumar  8,00
4  Desmascarar  19,00
Artefatos (4)
4  Pétala de Lótus 18,28
Encantamentos (4)
4  Reviver Cadáver  7,50
Terrenos (14)
2  Badlands799,99
2  Bayou899,90
3  Catacumbas Verdejantes161,50
3  Delta Poluído71,91
2  Lamaçal Ensangüentado77,12
2  Pântano0,00
60 cards total

Sideboard (15)
2  Enxame de Xantídeos 0,49
1  Tapete de Flores 100,00
1  Véu do Verão 14,85
1  Brecha na Quilha  0,50
1  Travessuras  0,18
2  Troféu do Assassino  64,00
1  Massacre   1,00
3  Silêncio Reverente  0,50
1  Elesh Norn, Cenobita-Mor   65,00
1  Arquétipo da Resistência   3,68
1  Iona, Escudo de Emeria    15,99

 

As alterações em relação a lista que usei no NL18 foram:


1) Troquei um pântano básico por uma segunda Bayou. O Sideboard ficou muito mais verde, e jogadas como cast de Enxame de Xantideos ou Tapete de Flores
protegido por Véu do Verão fica muito mais viável, aumenta a chance de Floresta + Silencio Reverente, e se perder uma Bayou para Terras Ermas ainda conseguirá castar as mágicas do side sem depender apenas de Petala de Lotus ;


2) Troquei uma Terapia da Cabala por um Capturar Pensamento, saindo da configuração 2-2 para 3-1 no maindeck. O motivo dessa escolha é que a Terapia da Cabala perdeu um pouco de poder no primeiro jogo, graças ao print de Forca da Negacao. Acertar o alvo aqui ficou mais difícil, e essa mudança fez sentido para mim, sendo provado nos treinos ao longo do tempo;


3) Iona, Escudo de Emeria indo para o sideboard, se juntando a Elesh Norn, Cenobita-Mor e ao Arquetipo da Resistencia, e a dupla de flyers Ginete Cinzento + Tirano Cabeca-D'Agua no maindeck. As novas versões de control que estão jogando no formato, como o Bant Miracles, estão com uma capacidade enorme de voltarem para o jogo mesmo após o Griselbrand entrar, e o Gênio azul é o único tem a capacidade de contornar uma mesa gigante do oponente. Além disso, eu cortei o Magus da Lua das minhas 75 cartas para o Nacional Legacy, pois apostei em uma redução de decks de baseado na token 20/20 gerada pelo terreno Abismo Sombrio graças ao aumento de Death and Taxes. Contudo, mesmo se eu fosse pareado com um desses, o Tirano Cabeça-D’Água ainda seria bastante útil nessa partida, sendo também mais um não-lendário para jogar contra Karakas. Já a saída do Wrenn e Seis do formato iria reduzir bastante o número de RUG Delvers, então achei que a Elesh Norn no sideboard estaria de bom tamanho, contando como uma spell de sweeper contra decks de criatura. Ginete Cinzento conta como uma remoção super versátil de maindeck, que tem uma interação incrível com a Terapia da Cabala e com o Tirano Cabeca-D'Agua + Reviver Cadaver.


4) No sideboard, o número de cópias de Massacre havia saído de 2 para 0 graças ao Wrenn e Seis  + Plague Engineer, que atrapalha demais estratégias de decks como o Death and Taxes, mas o ban recente do planinauta de duas manas iria certamente dar um novo ânimo aos jogadores desse famoso mono-white, e acabei utilizando uma cópia;


5) Veu do Verao AKA “Comando Criptico de uma mana” é muito forte no deck. Sua principal função é potencializar os nossos descartes, respondendo um counter adversário, por exemplo em uma Forca de Vontade que iria proteger uma Extracao Cirurgica do nosso descarte. Ainda por si só protege o próprio combo de counter, ou spells importantes. Por fim, bounces ou remoções pretas nos nossos bichões também podem ser respondidas pela instant verde.


6) A mudança no design das cartas printadas com um power level absurdo como, por exemplo, Oko, Ladrao de Coroas (que é bastante ofensivo e defensivo ao mesmo tempo) enfraquece demais a planos alternativos de vitória com Florescencia Amarga por exemplo, e para melhorar a eficiência do combo entrar, Enxame de Xantideos e Tapete de Flores entram muito bem aqui;


7) Travessuras passa a ser um quebra-hate obrigatório no deck por ser tutorável com Sepultar, e Brecha na Quilha tenta fazer a função que Serenidade faz no splash para branco do Reanimator, com certeza com menos power level que esse encantamento, mas que mantem o deck apenas com três cores, deixando mais consistente na minha opinião do que a versão mais jogada do deck, que é a 4color, consolidada pelo melhor jogador do deck, Eric Landon.

 

  • Sexta-feira – Dia dos Trials


Win a Playmat Foil


R1: 2-0 MUD (Hermes Batista)

Ganhei no dado e foi bem tranquilo (se meu oponente tivesse iniciado, ele abriria com um Calice do Vacuo para 1 e seria outro game). G2 eu muliguei a 5 atrás de resposta para Linha de Forca do Vacuo e não só a encontrei, como veio junto as peças do combo.


R2: 2-0 Death and Taxes (Bráulio Drummond)


Bráulio é um grande jogador de Magic, no Pauper ele me ganha todas, mas no Legacy eu tenho um histórico favorável. Dessa vez consegui vencer mais uma vez, ele não conseguiu encaixar os hates de forma eficiente.


R3: 2-0 Bant Food Chain (Tharso Peixoto)


Excelente piloto do arquétipo, e campeão do Super Legacy do ano anterior e já tinha até Bye2 para o Main event estava jogando pelo playmat. Se não me engano, ele acabou muligando a 6 e eu venci o G1 tranquilo dando um descarte na Forca de Vontade no primeiro turno e trazendo o Griselbrand no segundo. Já no G2, o jogo foi mais disputado e consegui vencer combando para o próprio Chanceler do Anexo, que pifa a mecânica do combo de mana infinita que a Cadeia Alimentar gera pela taxação do anjo, e que ele também nunca achou a Espadas em Arados  nas cantrips de 2 manas que ele estava fazendo.


R4: ID

 

  • Sábado – Dia 1 do Main Event

 

R1: Bye


R2: 2-0 Grixis Control (Jesus Purisco)


De cara enfrento um grande amigo, e até mesmo tutor, que me ensinou lá no meu PRIMEIRO torneio casual, em 2016, que eu não podia buscar Litorais de Mancha Negra com meu Delta Poluido, hahaha. Contudo, no nosso confronto do NL19, começo na play e já abro a primeira mão combada com a proteção do Chanceler do Anexo, Jesus concede no primeiro turno e, provavelmente, foi o game1 mais rápido do torneio.


O G2 foi bem trocado, descartes pontuais de ambos os lados, counters corretos, mas consegui reanimar o Griselbrand com Reanimar indo a 8 de vida, evito ativar sua habilidade para jogar me torno de Raio e passo. Ele volta de Estrige Maligna, e no meu turno aceito a troca para ganhar mais vida. Alguns turnos depois consigo reanimar o Capetão novamente e passo, novamente sem ativar a habilidade pois voltei a ter pouca vida. Meu oponente faz a quarta mana e desce Jace, o Escultor de Mentes  e ativa o -1, bounce dando alvo do Pai. Eu respondo com Veu do Verao, que resolve, determinando o vencedor. Jesus quase cai da cadeira! Hahaha


R3: 2-1 Goblins (Henrique Fonseca)


Mais uma vez ganho no dado e, já sabendo do meu deck adversário, keepo uma mão que havia combo no turno 2 para o Griselbrand mesmo sem proteção, compro 14 cartas e afundo o oponente no card-advantage. G2 ele veio com bastante hate, abrindo de Jaula do Escavador de Tumulos na 1 e Espinho de Ametista na 2. Começou a clockar com os seus goblins até que fez uma Esquadrao da Lacrainha e concedo antes de resolver o trigger. No G3, comigo na play, eu vou a 6 cartas e keepo com descarte + combo já no primeiro turno, início muito forte para o Goblins voltar.


R4: 2-0 ANT Storm (Jefferson Marques)

 

Jeffão ganha no dado, mas eu abro de Chanceler do Anexo. Ele faz mana vai, e no meu turno combo para o próprio Chancellor me mantendo com 19 de vida. Já sabia o deck do oponente mais uma vez, favorecendo a minha jogada, e ele não conseguiu combar em cima de uma “Thalia anabolizada”.


No G2 ele keepa 7 e eu vou a 5 cartas, com uma mão que quase sempre dá muito errado contra ANT: Griselbrand no primeiro turno dando Desmascarar em mim e reanimando com Reanimar, mas era isso ou ir a 4 cartas. Meu oponente faz Ponderar, sem shuffle e eu faço o que tenho que fazer: Pai para o campo de batalha e vou a 11 de vida. Penso bastante nesse turno se compro ou não as cartas, e perco para um simples Ritual Sombrio + Gavinhas da Agonia, mas arrisco o draw pois, se ele havia keepado 7 cartas contra BR Reanimator e deixou meu combo entrar tranquilamente, e ainda fez um Ponderar e não deu shuffle, eu tinha certeza que ele iria conseguir tranquilidade fazer um Storm 6 e me matar.


A minha escolha deu super certo, pois achei um segundo Desmascarar com os draws e revela uma mão já com a Gavinhas da Agonia e várias spells que me matariam mesmo com 11 de vida. Descarto a kill condition e venço o jogo com o 7/7.


R5: 2-0 POX (Frederico Camêlo)


Fred é um ser humano ímpar, uma pessoa realmente incrível e como jogador de Magic manda MUITO! Conhece como poucos POX e o ANT, sendo que para o NL19 escolheu o deck de destruir terrenos para pilotar. Ambos keepamos 7 cartas, e eu tinha Chanceler do Anexo na mão, pois sabia que o início dele era com descarte. Sendo assim, ele só faz a mana-vai, e no meu já chamo o Griselbrand rapidamente, vencendo com seu card advantage habitual, superando tranquilamente uma Maze of Ith   com o bounce do Tirano Cabeca-D'Agua.


Já no, G2 certamente o meu quo de sorte foi o mais elevado da minha saga NL19. Eu acabo mulligando uma mão combada de 7 cartas para tentar achar alguma resposta para Linha de Forca do Vacuo, e acabo mantendo 6 cartas com Silencio Reverente e uma parte do combo, mas o encantamento preto não apareceu. Contudo, o Fred resolve um Ashiok, Dissolvedor de Sonhos muito rápido e trava meu jogo por completo. Depois, faz uma Liliana do Veu e começa a ativar os dois PW seguidamente.


Eu tinha um pântano e duas fetchs em campo, fui selecionando as cartas para descartar com as ativações da Liliana e precisava do draw natural de uma fonte verde. Faltando um turno para o ult da Liliana do Veu e com o Ashiok, Dissolvedor de Sonhos já com um marcador apenas, compro a Bayou (minha lista com duas copias certamente contou muito aqui). Nesse momento do jogo, além desses dois problemas, o POX tinha 6 ou 7 lands em jogo, e um deles era uma Karakas ainda por cima.


No meu turno, eu faço a land e dou Trofeu do Assassino no Ashiok, Dissolvedor de Sonhos e na sequência faço Ritual Sombrio + Entomb + Exumar. Griselbrand entra, que leva Karakas, mas eu compro 14 em resposta. Nesse momento do jogo meu deck certamente tinha menos de 30 cartas, estava com uma enorme quantidade de fontes de mana na mão e outras spells cruciais na mão, entre elas dois Sepultar, sendo que as duas criaturas que eu precisava para virar a mesa ainda estavam no meu “meio-deck”, Tirano Cabeca-D'Agua + Ginete Cinzento. Iniciei o cast de várias mágicas e simplesmente a mesa virou por completo. Ele não tinha mais nada na mesa, nem se quer um único terreno, sendo que havia passado o turno com 2 PW e 7 terrenos, sem contar que a Karakas ainda foi exilada pelo Ginete Cinzento. Ganhei um jogo que já tinha dado como perdido, porque tudo conspirou ao meu favor.


R6: 0-2 UR Delver (Maikel Pereira)

 

Ótimo piloto de UR Delver e também de Storm, já havia tido a honra de enfrentar o Maikel no torneio Legacy Uai que ocorreu em Pouso Alegre – MG, no meio do ano. Naquela oportunidade ele estava com o Storm, mas aqui era o Delver deck. Se quiser ver na íntegra, esse jogo foi para a stream, pode conferir nesse link.


Maikel na play e começa com ilha, mas como eu revelei Chanceler do Anexo ele só passa o turno. Eu faço um Capturar Pensamento que revela Forca de Vontade, Forca da Negacao, 2x Tempestade Cerebral e 2 burn spells. Tiro a FOW e passo. Ele perde não faz a land e no meu turno eu dou Terapia da Cabala dando alvo em mim mesmo como bait, mesmo sem o Griselbrand na mão. Eu sabia que o Maikel por ser um jogador experiente iria dar o counter, pois eu poderia descartar o Griseldaddy e isso é o que o Delver mais quer evitar nesse matchup.


Ele gasta o counter e no mesmo turno coloco o Pai Griselbrand no cemitério com Sepultar. Maikel acha o land, cantripa e volta para mim. No meu turno, eu cometo o meu primeiro erro no torneio: eu tinha duas reanimações na mão, um Reanimar e um Reviver Cadaver e resolvo fazer a de cmc1 para jogar em torno de Pasmar, que resolve mas acaba abaixando muito a minha vida de forma desnecessária, já que ele não tinha pressão nenhuma na board, e fui a 8 de vida. Tanto que na volta ele faz um bounce com o Caloteiro Descarado // Pequeno Furto, mas não posso ativar o Griselbrand, pois iria a 1 de vida e morreria para um Raio. Eu deveria simplesmente ter feito primeiro o de duas manas, se tomasse Pasmar tudo bem, na volta eu usava o Reanimar, mas paciência.


No G2 abro bem de Tapete de Flores mas meu oponente faz Cripta de Tormod e Investigador de Segredos no turno 1. Tenho que gastar meu Sepultar para buscar um Travessuras e quebrar o hate do oponente, mas nunca mais consigo achar forma para jogar bichão no grave.


R7: 2-1 Monored Stompy (Hamilton Silva)


Grande Hamilton, outro entusiasta do deck que pilota, conhece muito, muito bem o arquétipo. Nessa partida eu acabei vencendo no dado e comecei na play, já sabendo que o deck do meu oponente não teria interação e precisava de ou combar no primeiro turno ou ao menos ter um Sepultar para castar em resposta a um possível Calice do Vacuo, saída usual desse deck, principalmente meu oponente sabendo o meu deck. Mulliguei a 5 e achei a mão que buscava, trazendo o Griselbrand rápido e descartando cartas chaves do meu oponente.


G2 ele abriu muito forte de Linha de Forca do Vacuo e Calice do Vacuo para 1 já no primeiro turno, e o jogo até prolongou um pouco, mas não consegui responder e morri para uma Chandra, Chama da Rebeldia. No terceiro jogo, comigo iniciando, Hamilton manteve as 7 cartas, e acabei muligando uma mão de Griselbrand turno 1, mas perderia para Linha de Forca do Vacuo. Sendo assim, fui a 6 e mantive. Era uma mão mais lenta, porém com Brecha na Quilha, as duas peças do combo e dois terrenos. Contudo, o encantamento preto não apareceu e eu fiz apenas mana-vai, e meu oponente fez uma Ponte Traicoeira no primeiro turno.


No passe, fiz Sepultar e chamei o Griselbrand na volta comprando 14 cartas e reanimando um Ginete Cinzento ainda no meu turno, exilando uma Tumba Antiga. Na volta, usei a Brecha na Quilha para destruir a Ponte Traicoeira, bati e ele concedeu quando apareceu mais uma criatura enorme na mesa.



Registro antes de começar a partida: Hamilton e eu!

 

R8: 2-0 UG Food Chain (Tharso Peixoto)


Desde que comecei a jogar no legacy, sempre vi o grande Tharso pilotando esse deck combo, conhece demais o metagame do formato e sempre muito difícil ganhar dele. Ele muligou a 6 e eu comecei descartando uma Forca de Vontade da mão dele e na volta trouxe o Griselbrand mais uma vez levando o jogo na vantagem de cartas.


No g2 ouve um início bem fair de ambos os lados, ele faz uma Karakas e mesmo assim eu reanimo o Griselbrand e ativo a habilidade 2x. Com os draws, coloco o Tirano Cabeca-D'Agua em jogo e retorno todas as permanentes dele para a mão. Controlei os meus casts de forma que ele só usasse uma mágica por turno, sempre voltando o terreno, e ele ficou cantripando atrás de resposta. No último turno e ele com 2 de vida, sem lands em jogo, reanimo o Pai Griselbrand novamente mesmo sabendo que ele tem Karakas na mão, selando o caixão. Ele havia achado uma Espada em Arados e deixou no topo para remover o Gênio, mas ali já era tarde, ou era Karakas ou era a mágica de remoção.


R9: ID


Um sonho se realizando! Segundo top8 seguido, eu realmente não achei que iria conseguir, já que para mim, o top16 já traria a sensação de missão cumprida. Em todas as rodadas eu já sabia o deck do meu oponente, o que em teoria é uma vantagem por si só, todavia todos os meus oponentes também já tinham conhecimento que eu estava de BR Reanimator, então não fui tão beneficiado assim por isso.


Eu acho que tive sorte nos pareamentos, o único jogo mais tenso que enfrentei no Main Event eu acabei perdendo (UR Delver), e os demais matchs que podem complicar eu acabei iniciando o jogo, como o Monored Stompy, o que faz toda diferença.


No game contra o POX, repito que certamente a sorte esteve ao meu lado, mas não dá para dizer que não fiz a minha parte também, fiz as jogadas que sabia que tinha que fazer e fui recompensando com a 4ª colocação no suíço.

 

Domingo – Dia 2 do Main Event - TOP 8


Quartas de final: 2-1 Humans (Luis Fernando Jardim)


Luís é um amigo da Liga Mineira de Legacy, e foi um grande prazer jogar esse jogo. Por ter uma melhor colocação no suíço que ele, comecei na play e esse era o meu melhor plano para ganhar. Já no segundo turno trouxe o Griselbrand para o jogo que estava no grave graças a uma Pilhagem Infiel no primeiro turno e levei esse game tranquilo no card advantage.


No G2 ele abriu de Karakas, que fui ignorada por mim e trouxe o Pai com draw 14, ele tomou bounce que não seria problema se todos os draws tivessem sido bem ruins. Apenas descartei até ficar com 7 na mão, e o Luis fez uma Thalia, Guardia de Thraben que travou minha volta, fiz terreno e passei, ele fez um Tenente de Thalia e bateu me levando a apenas 2 pontos de vida, fiz uma Elesh Norn, Cenobita-Mor apenas para limpar a mesa, mas ele voltou com 2x Terras Ermas e uma segunda Thalia, bora G3.


Aqui, eu abri de descarte que revelou uma Fada Macabra + Containment Priest e só um land, retirei e a fadinha, e passei. Ele fez um Campeao da Paroquia e na volta eu tinha 20 possíveis draws para comprar e colocar um Griselbrand na mesa – eu tinha Sepultar + Reanimar e/ou Exumar e poderia comprar um dos 12 terrenos + 4 Ritual Sombrio + 4 Petala de Lotus – mas não aconteceu. Poderia ter perdido aqui se ele comprasse land, mas teve o mesmo azar que eu.


Sendo assim, fiz o Sepultar no passe para o Griselbrand e ainda por cima comprei um Ritual Sombrio, que garantiu o combo com uma mana sobrando na pool e sem fazer o terreno do turno, trouxe o Arquetipo da Resistencia no mesmo turno e pouco tempo depois venci o jogo. Um detalhe importante, eu demorei para escolher a criatura para dar o follow-up após o Capetão estar em jogo, e foi porque cometi um erro nesse jogo esquecendo que dei side-out no Tirano Cabeca-D'Agua, mentalizei a jogada em torno disso e castei o Entombar antes de verificar o sideboard, por exemplo. Eu iria trazer ele primeiro para depois fazer mais mágicas (inclusive iria fazer o Desmascarar só depois para aproveitar o bounce do Gênio) e, além disso, a reanimação que iria usar é Reviver Cadaver, péssimo para usar no Javali, dando outs para o meu oponente, se ele destruísse o encantamento o Griselbrand ficaria desprotegido para uma Karakas. Felizmente não fui punido, bora para as semifinais.

 



Competitividade sim, mas respeito e amizade sempre acima!

 

Semifinais: 2-1 RUG Delver (Tomás Campos)


Nesse jogo eu estava me sentindo como uma criança no parque de diversões. Tomás é o meu amigo no Magic que mais gosto de jogar contra, ele é incrivelmente legal e tem um nível de jogo fora do normal, é absurdo o tanto que ele joga bem. Na minha opinião é o melhor jogador de Delver no Brasil e, sem dúvidas, um dos melhores do mundo!


Sobre o jogo, mulliguei a 6 e comecei na play fazendo Pilhagem Infiel que tomou Forca de Vontade e depois deu uma Terras Ermas na Badlands, que me deixou muito para trás. Tomás ainda fez um Investigador de Segredos e uma segunda Terras Ermas na Bayou que desci tentando chegar a 3 manas para o flashback da Pilhagem Infiel. Ele fez um segundo Delver, eu tento mais um enable de cemitério, mas toma Perfurar Magica. Os insetos flipam e rapidamente minha vida vai a 0.


Já no G2 abri de descarte e tirei a Jaula do Escavador de Tumulos da mão dele, que foi a apenas 5 cartas. Eu só tinha um terreno na minha mão inicial e abri de Tapete de Flores, ele fez o Investigador de Segredos, e não fez o Ponderar, o que me fez imaginar que ele tenha comprado uma Forca de Vontade ou Forca da Negacao.


No meu turno, eu tinha como combar em cima da mão revelada, mas optei por não fazer com a possibilidade de mais um counter. Passo o turno e na volta eu compro um descarte, que resolve a aí sim revela a FOW que descartei (mandei bem em esperar aqui, se não teria perdido o jogo).


Passo o turno, tomo o tapa do inseto 3/2 que me leva a 11 de vida, e no meu turno consigo finalmente colocar um Griselbrand no cemitério, dando um Sepultarque toma Perfurar Magica e que eu respondi com Veu do Verao e pago o Pasmar dele com a minha Petala de Lotus. Levo outro tapa do Delver, estouro uma fetch e com 4 de vida o Griselbrand entra no campo de batalha. Ele faz outro Investigador de Segredos e passa, eu só ataco, vou a 11 de vida e levo ele a 13. Ele me ataca me levando a 7 de vida e passa, eu compro e ataco novamente com 7/7 lifelink e deixo ele com 5, vou a 14. Faço um Capturar Pensamento, ele responde com um Raio, tiro uma Forca de Vontade da mão dele e vou a 9 de vida. O delver não flipado finalmente flipa em um Cone de Vapor! Ele tira meu Griselbrand de jogo, bate 6 e vou a somente 2 de vida!

 

Meu Tapete de Flores nesse momento estava gerando 3 manas, e já tinha outros 3 terrenos em campo. Faço Sepultar + Reviver Cadaver para Elesh Norn, Cenobita-Mor  que limpa a board, e ainda tenho mana para trazer ao campo uma das duas criaturas dele. Concedeu, ufa!


No terceiro e decisivo jogo, ambos fomos a 6 cartas, eu revelo um Chanceler do Anexo, ele faz mana-vai, e eu dou um Sepultar na manutenção do Tomás (em torno de Forca da Negacao) como resolve, eu busco a Iona, Escudo de Emeria, que por si só é muito forte contra a lista de RUG Delver do Tomás e preservava meus Griselbrand de uma Extracao Cirurgica. No meu turno, tento Reanimar que toma 2 mana-Perfurar Magica (pagando 1 a mais devido ao trigger do anjo). Ainda faço uma Pilhagem Infiel para moldar a mão e descarto o próprio Chanceler do Anexo e um Enxame de Xantideos. Minha Badlands toma Terras Ermas e fico só com um básico, suficiente para fazer um Reanimar, mas que toma Forca de Vontade.


Ele faz um Investigador de Segredos, que não flipa, bate me levando a 17, contudo ainda faz um Mandris Estridentes que iria acelerar muito o clock. Mais uma vez não faço nada, espero até o limite necessário, o Investigador de Segredos dele flipa e ele me ataca com as duas criaturas e vou a 10 de vida.


No meu turno faço Desmascarar, ele dá Pasmar, respondo com Ritual Sombrio e com as 2 manas sobrando faço Reviver Cadaver na Iona, Escudo de Emeria e escolho azul. Deixei a Anjona parada travando o campo enquanto dava draws até conseguir trazer outra criatura para o campo, no caso o Griselbrand, sendo que ele chegou até fazer um Tarmogoyf. Fiz os ataques com segurança para rapidamente matar meu oponente, pois não queria dar a chance para ele comprar alguma possível resposta, como um Desmembrar, que ele poderia ter no deck.


O primeiro ataque com a Iona ele estava todo tapado, e que forçou o block na volta, já que eu tinha descarte para ver a mão dele e ter a segurança de tirar esse único possível out. Jogão! Jogão! Tomás, muito obrigado por esse jogo sensacional!



Aguardando a 6ª rodada, ambos 5-0 no momento. Quem diria que jogaríamos nas semifinais!

 

Final: 0-2 Bant Miracles (Stefano Garcia)

 

Essa final foi muito foda, pois joguei contra um cara que passou a semana praticamente toda comigo, nos divertimos bastante, somos do mesmo Podcast (NLCast, segue lá no Spotify!). Enfim, estava totalmente à vontade na partida.


Stefano na play optou pelo primeiro mulligan e eu tinha na mão o Griselbrand, que conseguia jogar pro grave no descarte natural sem direito a resposta do meu oponente, tinha 2x Chanceler do Anexo para atrapalhar o início dele, 2 terrenos, 1 descarte e 1 Pilhagem Infiel, para encontrar a reanimação. Stefano jogou um Ponderar fora para tirar os triggers e eu coloquei Grisel no meu grave na minha fase de descarte.


No meu próximo turno eu fiz a Pilhagem Infiel, que incrivelmente tomou Force of Negation pitch Force of Negation! No momento achei que ele tinha errado, pois o Grisel já estava no grave, pareceu que foi no automático. Contudo, me prejudicou muito porque eram 4 draws que eu poderia dar atrás da reanimação (a Force of Negation EXILA a Pilhagem Infiel, tirando o possível flashback) e acabei ficando no modo topdeck, e infelizmente acabei comprando muito mal na partida.


Para se ter ideia, tentei em um momento do jogo até um hardcast do Griselbrand com 3 Ritual Sombrio na sequência, mas que tomou Forca de Vontade. Meu oponente foi desenvolvendo o jogo dele e com um clock de 2 Mago da Conjuracao-relampago, tinha somente 7 pontos de vida quando consegui trazer o Griselbrand ao jogo, mas já com a habilidade de comprar cartas desligada concedi na volta para uma remoção.


O jogo decisivo, meus amigos, foi bem rápido na verdade: ambos fomos a 6, eu na play, e minha mão era Chanceler do Anexo + Petala de Lotus + Ritual Sombrio + Sepultar + reanimação de duas manas, eu keepo e meu oponente mulliga mais uma vez, pensei que teríamos um G3. Contudo, Stefano muito bem jogado foi atrás do que precisava, e achou Force of Will + Pitch azul + Extracao Cirurgica na mão de 5.


Resultado, ele removeu do meu cemitério e do meu baralho todas as cópias do ~Griselbrand. O jogo acabou ali, continuei na partida apenas pela stream e parar curtir os últimos momentos do maior evento de Legacy da America Latina.


Queria demais agradecer a todos os envolvidos na organização, como o Bruno Other, o amigo Matheus Alves com a cobertura profissional de sempre, ao mito Bruno Lanza (Kasquinha para os íntimos) pelo suporte para o torneio acontecer com as tokens mais sensacionais que existe, ao grande Fausto Souza pela narração e cobertura no Eternal Magic, as lojas patrocinadoras, tanto a TCGeek como a Vault of Cards, mas principalmente ao carregador de piano e cérebro que faz tudo acontecer e que tenho orgulho de poder chamar de amigo, Thiago Duarte, MUITO OBRIGADO MESMO pela oportunidade de vivenciar mais uma vez esse momento especial com os amigos que só esse jogo, que é muito mais que um jogo, proporciona. É muito mais Gathering do que Magic!

 

RESUMÃO DA SEMANA


BR Reanimator – Total de partidas jogadas: 14-3 (82,3% de aproveitamento)

 

Semanal TCGeek


2-0 Eldrazi (Julia Tiemi)
1-2 Bant Miracles (Matheus Alves)
2-1 UR Delver (Bruno Lorenzato)
2-1 Talles Castro (Sneak and Show)

Win a Playmate FOIL


2-0 MUD (Hermes Batista)
2-0 Death and Taxes (Braulio Drummond)
2-0 UG Food Chain (Tharso Peixoto)

Main Event:


Bye 1
2-0 Grixis Control (Felipe Purisco)
2-1 Goblins (Henrique Oliveira)
2-0 Storm (Jefferson Marques)
2-0 POX (Frederico Camêlo)
0-2 UR Delver (Maikel Pereira)
2-1 Monored Stompy (Hamilton Silva)
2-0 Bant Food Chain (Tharso Peixoto)
ID

 

Top 8:


2-1 Humans (Luis Fernando)
2-1 RUG Delver (Tomás Campos)
0-2 Bant Miracles (Stefano)

Thiago Mata Duarte ( thmduarte)
Fundador e organizador da Liga Mineira de Legacy (2014 - 2018), organizador do Nacional Legacy desde 2018, é um entusiasta e ativo incentivador do formato no país. Joga Legacy desde final de 2012 e desde então sempre tem alguma coisa para falar, desde os recônditos obscuros do POX, passando pelos tier 5 de Opalescence, até chegar nos decks de Brainstorm.
Redes Sociais: Facebook, Instagram, Twitter
Comentários
Ops! Você precisa estar logado para postar comentários.
(Quote)
- 19/12/2019 17:20
Coisa linda!!
(Quote)
- 12/12/2019 20:15
Parabens, seu lindo 3
(Quote)
- 12/12/2019 11:18
Posso comentar no meu próprio report, né? Afinal de contas quem postou foi o Thiagão! Hahaha :P

Muito obrigado aí, galera dos comentários, pelos parabéns.
Bora firmar a carcaça e treinar para ano que vem ser ainda melhor!!

Ah, pra quem tem interesse, em breve vai sair um canal no YouTube sobre Magic competitivo, com o Legacy de principal formato e, de início, focando no Reanimator e suas variações. :)
(Quote)
- 12/12/2019 07:53
Parabéns novamente Robertão, mensageiro de nosso Pai Griselbrand, jogou muito!
(Quote)
- 12/12/2019 01:03
Robertao mito, joga demais de BR Reanimator, foi uma honra chegar tão longe e te enfrentar!!
Últimos artigos de Thiago Mata Duarte
Em busca da classificação para o PT
Um report diferente sobre a classificação para o Format Championship Finals e a busca pela vaga no PT e no MOCS
2.776 views
Em busca da classificação para o PT
Um report diferente sobre a classificação para o Format Championship Finals e a busca pela vaga no PT e no MOCS
2.776 views
Há 30 dias — Por Thiago Mata Duarte
Report – Campeão do Nacional Legacy 2019
Um relato sobre o NL 2019, aos olhos do bicampeão Stefano Silveira
4.032 views
Report – Campeão do Nacional Legacy 2019
Um relato sobre o NL 2019, aos olhos do bicampeão Stefano Silveira
4.032 views
16/12/2019 18:05 — Por Thiago Mata Duarte
8.752 views
10 listas de Legacy depois do ban de Wrenn e Seis.
Wrenn e Seis foi banido. E agora?
8.752 views
28/11/2019 10:05 — Por Thiago Mata Duarte
100 jogos de RUG Delver
Análise sobre o metagame atual do Legacy e os resultados de 100 jogos com o melhor deck do formato.
7.515 views
100 jogos de RUG Delver
Análise sobre o metagame atual do Legacy e os resultados de 100 jogos com o melhor deck do formato.
7.515 views
15/11/2019 10:05 — Por Thiago Mata Duarte
Quem é o agressor?
20 anos de um dos mais icônicos artigos sobre Magic: the Gathering de toda a história do jogo.
9.489 views
Quem é o agressor?
20 anos de um dos mais icônicos artigos sobre Magic: the Gathering de toda a história do jogo.
9.489 views
28/10/2019 18:05 — Por Thiago Mata Duarte